Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Mundo Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 17:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 17h:30 - A | A

Foguete da Coreia do Norte que transportava segundo satélite espião explode em pleno ar

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Um foguete lançado pela Coreia do Norte para implantar o segundo satélite espião do país explodiu nesta segunda-feira, 27, logo após a decolagem, informou a mídia estatal. O país havia notificado autoridades do Japão sobre os planos para lançamento de um "foguete satélite" entre esta segunda-feira e o dia 3 de junho.

A estatal Korean Central News Agency (KCNA) reportou que o lançamento ocorreu no principal centro espacial no noroeste do país, mas que o foguete explodiu durante um voo de primeiro estágio logo após a decolagem, devido a um suposto problema no motor de oxigênio e petróleo líquido. Outras possíveis causas também serão investigadas, segundo a KCNA.

O lançamento fracassado aconteceu horas depois que os líderes da Coreia do Sul, China e Japão se reuniram em Seul, no primeiro encontro trilateral em mais de quatro anos. É altamente incomum que a Coreia do Norte realize ações provocativas quando a China, seu principal aliado e canal econômico, está engajada em uma diplomacia de alto nível na região.

O lançamento atraiu repreensões dos países vizinhos porque a Organização das Nações Unidas (ONU) proíbe a Coreia do Norte de realizar qualquer lançamento desse tipo, considerando-os como uma cobertura para testar a tecnologia de mísseis de longo alcance.

O governo do Japão emitiu brevemente um alerta de mísseis para a província de Okinawa, no sul do país, pedindo aos moradores que se abrigassem em prédios e outros locais mais seguros. O alerta foi retirado mais tarde porque a região não estava mais em perigo, disse o secretário-chefe do Gabinete, Yoshimasa Hayashi.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros