Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Justiça Quarta-feira, 16 de Novembro de 2016, 19:53 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 16 de Novembro de 2016, 19h:53 - A | A

SEM MONITORAMENTO

TJ concede liberdade a jornalista preso com arma de fogo é solto

JESSICA BACHEGA

A Segunda Câmara do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) concedeu liberdade ao jornalista Max Feitosa Milas, preso no Centro de Ressocialização da Capital (CRC) desde o dia  26 de setembro, após ser pego com arma de fogo ilegal. A decisão dos desembargadores foi unânime e divulgada na tarde desta quarta-feira (16).

 

Reprodução

Max Milas

 Max Milas foi preso no dia 26

O relator no processo, desembargador Pedro Sakamoto, votou pela liberdade do réu e foi acompanhado pelos demais magistrados. Com a decisão,  o réu teve a prisão em regime fechado substituída por medidas cautelares, entre elas o comparecimento mensal ao juízo para comprovar suas atividades e proibição de se ausentar de Cuiabá sem autorização. Não foi estabelecido ao acusado o monitoramento por tornozeleira eletrônica.

 

O acusado estava sob monitoramento quando foi preso do dia 26, mas havia retirado o equipamento  pois, segundo ele, “jornalista com tornozeleira não combina”.

 

Antes de ter sido preso por porte ilegal de arma, Milas foi detido no mês de março Max durante a Operação Liberdade de Extorsão desencadeada pela Polícia Civil. Na ocasião, também foram presos Antônio Carlos Milas de Oliveira, Maycon Feitosa Milas e Naedson Martins da Silva, editor chefe do Brasil Notícias, com sede em Brasília.

 

De acordo com informações do delegado da Fazendária, Anderson Veiga, os jornalistas estavam envolvidos em coação e extorsão de pessoas, principalmente agentes políticos importantes, empresários com contratos no poder público, os quais foram obrigados a pagar quantias vultuosas, entre R$ 100 a 300 mil, para não terem informações divulgadas nos veículos sobre supostas irregularidades em contratos administrativos, corrupção ativa e passiva, entre outras.

 

Antonio Milas, pai de Max,  foi solto, entretanto foi detido na semana passada, novamente acusado de tentar extorquir o empresário Filinto Muller dono da FMC Factoring e SF Assessoria e Organização de Eventos ambas citadas na Operação Sodoma.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros