Justiça Sábado, 26 de Junho de 2021, 09:24 - A | A

Sábado, 26 de Junho de 2021, 09h:24 - A | A

EXERCÍCIO DE 2019

TCE emite parecer favorável às contas de Chapada dos Guimarães

REDAÇÃO

Por unanimidade, o Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) emitiu parecer prévio favorável à aprovação das contas anuais de governo de Chapada dos Guimarães e Barão de Melgaço. Referentes ao exercício de 2019, os processos foram apreciados na sessão ordinária remota desta quinta-feira (24).

Assessoria

José Carlos Novelli

 

Em ambos os casos, os conselheiros relatores Antonio Joaquim e José Carlos Novelli, respectivamente, apontaram que as gestões respeitaram os limites constitucionais e legais relacionados aos repasses às áreas de Saúde, Educação e ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Com relação à Chapada dos Guimarães, foi constatada irregularidade referente aos gastos com pessoal acima do limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O conselheiro Antonio Joaquim, por sua vez, votou com base nos princípios da isonomia e colegialidade.

“Além do valor ultrapassado ser inferior a 1%, ficou decidido, por este Colegiado, que a ocorrência desta irregularidade no exercício sob análise seria flexibilizada para não emissão de parecer prévio contrário, em sintonia com o tratamento isonômico dado às contas anuais do governo do Estado em 2018 e 2019”, defendeu.

Desta forma, manteve o achado, emitindo apenas recomendação para que a administração não realize medidas que impliquem em aumento desta natureza. “Sendo conveniente enfatizar que estas vedações devem vigorar enquanto perdurar o valor que supera o limite prudencial”, disse. (Clique aqui e confira o vídeo completo do julgamento).

Sobre as contas de Barão de Melgaço, o conselheiro José Carlos Novelli chamou a atenção para o fato que a gestão atingiu resultado positivo na execução orçamentária.

Deste modo, ao considerar as inconsistências apontadas afirmou: “compreendi que não têm força para conduzir em emissão de juízo reprobatório das contas, uma vez que não comprometeram a execução orçamentária e patrimonial do município.” 

Além disso, assim como no caso de Chapada dos Guimarães, determinou a instauração de tomada de contas ordinária para identificar responsáveis e quantificar eventual dano causado ao erário em decorrência do recolhimento com atraso de contribuições previdenciárias.

No tocante às demais irregularidades, os conselheiros constataram que nenhuma delas é apta a ensejar emissão de parecer prévio contrário. Frente ao exposto, em dissonância com o parecer do Ministério Público de Contas (MPC), votaram pela emissão de parecer prévio favorável à aprovação das contas, sendo seguidos por unanimidade do Pleno.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros