Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 15:36 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 15h:36 - A | A

DERROTA DOS LIBERAIS

Sob protesto do PL, Justiça mantém propaganda do PP que cita Kalil e Botelho

Segundo decisão, embora tenha mencionado os pré-candidatos, a maior parte do tempo destinado ao material publicitário tratou de outros assuntos

DA REDAÇÃO

O juiz eleitoral Carlos Roberto Barros de Campos negou pedido do PL de Várzea Grande para derrubar propaganda eleitoral do Partido Progressistas que, em tese, teria configurado propaganda antecipada ao prefeito da cidade, Kalil Baracat (MDB), pré-candidato à reeleição, e ao pré-candidato à Prefeitura de Cuiabá, Eduardo Botelho (UB). A decisão é desta sexta-feira (14). 

Narram os autores que, além de ter beneficiado os pré-candidatos, o material do PP ainda teria sido veiculado de forma irregular nas redes sociais do deputado Paulo Araújo, presidente estadual da sigla. Na peça, o partido cita que foi o primeiro a apoiar as pré-candidaturas de Baracat e Botelho. 

No entanto, segundo o juiz, embora tenha mencionado os pré-candidatos, a maior parte do tempo destinado ao material publicitário tratou de outros assuntos. Sendo assim, não vislumbrou que a propaganda tenha sido utilizada para, exclusivamente, promover Eduardo Botelho e Kalil. 

"Em que pese tais fatos não há vedação para participação física, uso de sua fala, imagem ou citação nome de filiado de partido diverso em propaganda partidária", pontuou. 

Alertou ainda que a  Lei nº 9.096/95 em seu art. 50 não veda a divulgação de propaganda partidária na internet. "Assim, diante da ausência de demonstração preliminar da existência do direito substancial invocado (fumus boni iuris), entendo que não merece acolhimento a medida inibitória in limine litis pretendida", decidiu.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros