Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 08:31 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 08h:31 - A | A

AFRONTA AO ESTATUTO

OAB não reconhece Sala de Estado Maior na penitenciária da Mata Grande: "fere a advocacia"

A presidente da OAB, Gisela Cardoso, foi pessoalmente à Mata Grande, levando em seguida o caso ao V Colégio de Presidentes de Subseções, que deliberou pelo não reconhecimento do espaço

DA REDAÇÃO

A  Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso (OAB-MT) encaminhou, nesta segunda-feira (10), o relatório da inspeção feita no espaço considerado Sala de Estado Maior, na Penitenciária Major Eldo Sá Corrêa - "Mata Grande", em Rondonópolis (212 km de Cuiabá), ao Tribunal de Justiça, Ministério Público e à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), requerendo reuniões com esta pauta. O relatório concluiu que não estão preenchidos os requisitos legais para que aquele espaço seja chamado e reconhecido como Sala de Estado Maior.

"A situação fere o Estatuto da Advocacia, a Lei 8.906/94, em seu Artigo 7º, que determina que o advogado não será recolhido preso, antes de sentença transitada em julgado, senão em sala de Estado Maior, com instalações e comodidades condignas, e, na sua falta, em prisão domiciliar. Então é urgente a correção das irregularidades identificadas", destaca Gisela Cardoso, presidente da OAB-MT.

O Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP) da OAB-MT foi acionado e, para verificar a situação, a presidente Gisela foi pessoalmente à Mata Grande, levando em seguida o caso ao V Colégio de Presidentes de Subseções, que deliberou pelo não reconhecimento do espaço como Sala de Estado Maior e a realização do relatório de inspeção.

O relatório foi prontamente realizado pelo presidente da 1ª Subseção de Rondonópolis, Bruno de Castro, com o presidente da Comissão de Defesa das Prerrogativas, Thiago Ranniere Rodrigues de Sousa, presidente da Comissão de Direito Penal, José Augusto Martins de Oliveira, e o Membro do Tribunal de Defesa das Prerrogativas, Juarez Rangel dos Santos Junior.

Gisela afirma que esta, entre outras prerrogativas, sempre foi defendida OAB-MT com muita veemência.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros