Justiça Terça-feira, 10 de Maio de 2011, 11:47 - A | A

Terça-feira, 10 de Maio de 2011, 11h:47 - A | A

FISCAIS DA LEI

OAB-MT se limita a pedir apuração do caso auxílio-moradia para promotores

Para o presidente Cláudio Stábile, a sociedade mato-grossense precisa saber se há violação constitucional

ALIANA F. CAMARGO
aliana@hipernoticias.com.br

Midianews
Cláudio Stábile, presidente da OAB-MT, pede a apuração da denúncia em respeito a sociedade mato-grossense.
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) seccional de Mato Grosso, Cláudio Stábile, quer que se apure efetivamente a polêmica levantada pelo conselheiro Almino Afonso sobre a discrepância em se pagar o auxílio-moradia à servidores do Ministério Público de forma continuada.

Para Stábile, a sociedade mato-grossense precisa saber se há ou irregularidade no pagamento desses auxílios. “Entendemos que o Conselho Nacional do Ministério Público deve apurar a denúncia. Toda a sociedade quer saber. Caso haja irregularidades, os servidores devem restituir aos cofres públicos todo o valor repassado”, explicou Stábile.

A inconstitucionalidade do pagamento do auxílio-moradia e a violação do teto salarial constitucional (R$ 26,7 mil) são apontados pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) em vários estados do Brasil, inclusive Mato Grosso.

No entendimento do Procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Marcelo Ferra, o pagamento está amparado pela lei, não constituindo nenhuma violação ou inconstitucionalidade no assunto.

Cláudio Stábile reiterou que o CNMP deve agir e investigar se realmente ocorre a violação constitucional.

MP

O procurador-geral da Justiça de Mato Grosso, por meio da assessoria de imprensa, reafirmou o que está em nota, ou seja, que a sua posição continua sendo de que não existe nenhuma ilegalidade no pagamento do auxílio-moradia e que esse entendimento também foi unânime pela CNMP.

Entenda o caso, clique aqui.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Mauro Figueiredo. 11/05/2011

O PAGAMENTO PODE ATÉ SER LEGAL, MAS É IMORAL. OS MARAJÁS, O ACÚMULO DE SALÁRIOS (EXEMPLO RECENTE - HUMBERTO BOSAIPO), VERBAS ESPECIAIS PARA JUÍZES/DESEMBARGADORES/DEPUTADOS/SENADORES/MINISTROS, ETC, TUDO ERA AMPARADO POR LEIS QUE FORAM EXTINTAS POR SEREM IMORAIS. EU SINTO NOJO DE VER QUE O M.P. QUE É A CASA DOS NOSSOS XERIFES FISCALIZADORES, ESTAR SE EXPLICANDO QUE A TAL "VERBA MORADIA" TÁ DENTRO DA LEI. TOMEM JEITO, FUNCIONÁRIO PÚBLICO É PAGO COM DINHEIRO PÚBLICO, DO POVO, E HOJE O POVO TÁ BEM ANTENADO. A OAB PARECE SER CORPORATIVISTA É TÁ BEM DEVAGAR.

Haroldo 11/05/2011

A OAB-MT está limitada mesmo.

2 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros