Justiça Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011, 15:51 - A | A

Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011, 15h:51 - A | A

DEMORA

MPE pede urgência para cumprir mandado para retirar camelôs na Capital

No dia 2 de setembro a Justiça determinou retirada dos camelôs do centro da cidade

DA REDAÇÃO

Mayke Toscano/Hipernotícias

O Ministério Público do Estado (MPE) exige ação imediata do município de Cuiabá, em relação à decisão que garante a retirada dos camelôs irregulares do centro da cidade. Na sexta-feira (16), o MPE encaminhou petição ao juiz da Vara Especializada do Meio Ambiente cobrando providências. No documento, o promotor de Justiça Gerson Barbosa, afirma que o mandado encontra-se com o oficial de Justiça e até o momento não foi cumprido.

“Em face da urgência da medida deferida por este juízo, requer-se providências para que o oficial de Justiça, devolva, até esta segunda-feira (19), devidamente cumprido, o mandado que objetiva a citação do prefeito municipal de Cuiabá”, destacou o promotor de Justiça, em um trecho do documento.

A liminar que determina a retirada dos camelôs irregulares foi proferida no último dia 02. Na decisão, o juiz estabeleceu um prazo de 10 dias, a contar da data da notificação, para o cumprimento da determinação. De acordo com o autor da ação, promotor de Justiça Gerson Barbosa, caso a decisão não seja cumprida, foi estabelecida multa diária no valor de R$ 5 mil. Se necessário o município deverá requerer auxílio da força pública para cumprimento da determinação.

Consta na ação do MPE que atualmente existem aproximadamente 320 vendedores informais exercendo atividades na região central. A Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural tem, inclusive, inquérito civil instaurado para apurar denúncias sobre danos causados por vendedores ambulantes que se instalaram nos fundos do prédio onde funciona o Programa Ganha Tempo.

O promotor de Justiça afirma que os vendedores irregulares ocupam área do Centro Histórico de Cuiabá e estão causando danos ao Patrimônio Cultural. O conjunto arquitetônico, urbanístico e paisagístico da Capital foi tombado pelo União Federal em 04 de novembro de 1992 e preserva o patrimônio construído, remanescente dos séculos XVIII, XIX E XX.

Barbosa destacou ainda que o problema não é recente e causa transtornos à população em virtude da ausência de critérios de instalação, ocupação indevidas de ruas e vendas de mercadorias clandestinas. “Diante da lesão ao meio ambiente urbanístico e do prevalecimento de particulares em detrimento dos interesses da coletividade, faz-se necessária a intervenção judicial para cessar a irregular utilização de ruas, calçadas e praças no centro de Cuiabá, danos ao patrimônio histórico, e a omissão do poder público municipal no controle da atividade”, afirmou.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros