Economia Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011, 09:02 - A | A

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011, 09h:02 - A | A

EMPRÉSTIMO

Banco Central Europeu empresta € 489 bi a mais de 500 bancos

Esta é a primeira vez que o BCE empresta fundos a três anos para bancos

PORTAL G1

Imagem da Internet

Esta é a primeira vez que o BCE empresta fundos a três anos para bancos
O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta quarta-feira um empréstimo de € 489 bilhões a 523 bancos afetados pela crise na zona do euro pelo período de três anos. A expectativa é que os recursos estimulem a recuperação das instituições, levando à compra de títulos da dívida da Espanha e da Itália. Em 2009, numa operação semelhante, apenas metade dos fundos liberados aos bancos foi usada para adquirir papeis das nações endividadas.

Embora a operação seja recebida com otimismo pelos mercados, o valor demonstra a gravidade da crise. Até então analistas calculavam que a demanda de liquidez dos bancos ficaria entre € 160 e € 250 bilhões.

Esta é a primeira vez que o BCE empresta fundos a três anos para bancos, e o montante representa a maior quantia de recursos já injetada no sistema financeiro europeu desde a criação da instituição.

O órgão deixou claro que fornecerá aos bancos da zona do euro todo os fundos que necessitem e em condições muito vantajosas, com o fim de aquecer o fluxo de crédito a empresas e famílias.

Entre os efeitos que o BCE espera atingir estão o aumento da confiança internacional nos bancos europeus (cujas notas de crédito vêm sendo sistematicamente reduzidas pelas agências de risco), a redução da ameaça de quebra e o estímulo à compra dos títulos das dívidas da Espanha e da Itália.

DÚVIDAS

Segundo o jornal "Financial Times", há insegurança nos mercados quanto à eficácia da medida.

Há dúvidas se os bancos vão de fato aproveitar a liquidez trazida pelo empréstimo do BCE para a compra de títulos da Espanha e da Itália ou se devem utilizar os recursos apenas para sanear suas próprias contas.

Em 2009, numa operação semelhante por parte do BCE, em meio à crise, € 442 bilhões foram emprestados aos bancos europeus no período de um ano. Do montante, somente a metade foi utilizada para a compra de títulos de nações endividadas --sobretudo da Espanha e da Grécia-- aponta um estudo do Deutsche Bank citado pelo "Financial Times".

"Embora isto possa ajudar a resolver alguns sinais de tensão nos mercados de crédito e estimular os bancos a concederem crédito, continuamos céticos quanto à ideia de que a operação amenizará a crise da dívida soberana (...)", disse Jonathan Loynes, economista-chefe de Europa da Capital Economics.

Em meio às incertezas, muitos analistas argumentam que a crise só será de fato amenizada caso o próprio BCE faça compras mais agressivas e diretas dos títulos dos países endividados, algo que o órgão vem evitando.

SEGUNDA OPERAÇÃO

O empréstimo anunciado nesta quarta-feira é a primeira das duas operações com vencimento a três anos (36 meses) que a instituição financeira vai realizar. A segunda será em fevereiro.

A ação será realizada mediante um procedimento de leilão com adjudicação plena e a uma taxa de juros fixa, que será indexada à média à qual ficar situada a taxa de juros reitora do BCE no período em que o empréstimo estiver em vigor.

Atualmente, as taxas de juros estão fixadas em 1% na zona do euro, mas ao longo dos três próximos anos podem ocorrer mudanças.

Espera-se que a participação neste leilão seja "muito elevada", segundo Christoph Rieger, analista do Commerzbank, a segunda maior entidade financeira alemã por ativos.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros