Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Cidades Sexta-feira, 20 de Maio de 2016, 08:17 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 20 de Maio de 2016, 08h:17 - A | A

TODOS PRESOS

Último acusado de matar sargento da PM durante assalto é preso

MAX AGUIAR

Na tarde desta quinta-feira(19), policiais do 4º Comando Regional de Rondonópolis (distante 220km de Cuiabá) prenderam o 6º e último acusado do latrocínio que teve como vítima o sargento PM Aloísio Freitas Cavalcante, 52 anos. Aléx Júnior de Almeida Ossuma, 21 anos, estava escondido em uma residência no bairro Padre Ezequiel Ramirim.

 

Ronaldo Teixeira/Agora MT

PRESO

 

Também foi detido Jair Júnior Queiroz Baleiro, 19, acusado de dar cobertura à fuga e esconder Alex Júnior. Com o principal acusado os policiais apreenderam um revólver calibre 38.

 

Informações levantadas pela PM apontam que Alex era o condutor da moto que levou os assaltantes até o comércio onde estava o sargento Freitas. Ele também seria o cara que roubou a arma do policial.

 

Atingido por dois tiros na região do pescoço durante assalto no dia 12 deste mês, na área central de Rondonópolis, o sargento Freitas passou por cirurgia e permaneceu internado na UTI do Hospital Regional, onde morreu quatro dias depois.  

 

Na carreira policial militar desde 1992, Freitas estava servindo a sociedade mato-grossense no Fórum de Rondonópolis.

 

PRISÕES

 

Em uma ação que teve à frente o comandante do CR4, tenente-coronel Edgar Maurício Domingues, cinco acusados foram presos no mesmo dia do crime. São eles: Layon Aparecido dos Santos Ossuma, 21, e seu irmão menor, C.A.O., de 16; Alessandro Paulo de Oliveira, 25, e outros dois adolescentes C.O.M., 16, e J.A.A., 17. Já Alex Júnior de Almeida Ossuna conseguiu fugir.

 

No aplicativo WhatsApp do telefone celular apreendido com Layon, a PM identificou diálogos sobre o crime. Ele seria o autor dos tiros. Em um dos trechos da conversa, supostamente usando nome falso, ele reclama que a vítima reagiu. E, acreditando ter escapado da culpa, diz que não deixou pista de sua participação por ter queimado a roupa que usava e que sujou de sangue. 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros