Sexta-Feira, 17 de Janeiro de 2020, 08h:05

Tamanho do texto A - A+

Seduc anuncia transformação de escola em Centro de Inclusão Nilo Póvoas

Por: KLEBER LIMA / Diretor de Jornalismo

Hugo Dias/HiperNotícias

Alan Porto

Alan Porto, Secretário Executivo da Seduc, anuncia nova destinação da Escoa Nilo Póvoas, que manterá o nome

A Secretaria de Educação do Estado (Seduc) vai transformar a antiga Escola Nilo Póvoas, cujo prédio funciona no bairro Bandeirantes, região central de Cuiabá, no Centro de Referência e Inclusão Nilo Póvoas, destinado a atender alunos especiais que tenham problemas com drogas, violência doméstica e outras violências como abuso sexual, entre outras necessidades especiais e psicopedagógicas. O prédio também vai abrigar um centro de formação de professores que lecionam para esses alunos especiais, além do projeto Escola Gestora de Paz, voltado para a mediação desses conflitos entre alunos, professores e familiares.

“Vamos concentrar vários projetos especiais que já temos hoje, alguns inclusive em prédios locados, neste centro de referência e inclusão Nilo Póvoas”, explica o Secretário Adjunto Executivo da Seduc, Alan Porto.

De acordo com ele, a Seduc já reservou R$ 3 milhões para fazer a adaptação do prédio, incluindo acessibilidade do prédio e outras melhorias que serão necessárias. “Até 2021 essa unidade deverá estar totalmente pronta e em funcionamento, proque vamos ter que fazer as licitalões para contratar as empresas que farão as obras e um volume de obra desse não se executa da noite para o dia”. Até lá, conforme Alan Porto, o prédio não ficará abandonado, já que atualmente funcionam lá a escola Barão de Melgaço e a unidade administrativa do projeto Nova Chance.

POLÊMICA – O fechamento da escola, que funcionou durante 50 anos e leva o nome de um personagem destacado da história de Cuiabá, foi anunciado pela Seduc na semana passada sob a alegação da baixa demanda de alunos para um custo elevado com a manutenção da unidade. Os cerca de 100 alunos, bem como todo corpo docente e técnico, foram transferidos para a escola estadual José Epaminondas, que também funciona em regime integral e fica no bairro da Lixeira, numa região próxima.

A decisão do governo desagradou parte da comunidade escolar, que foi as ruas protestar, e a parte da opinião pública, que criticava a “desomenagem” a Nilo Póvoas, pai de Lenine Póvoas e avô da desembargadora Maria Helena Póvoas.

O anúncio do governo sobre a nova destinação do espaço com a manutenção do nome do homenageado deverá amenizar a divergência. “O nome Nilo Póvoas não será mudado, e acreditamos que vai até ganhar uma dimensão maior, porque esse projeto é modelo não só para Mato Grosso mas para o Brasil”, argumenta Alan Porto.

Avalie esta matéria: Gostei +7 | Não gostei - 1