Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Cidades Segunda-feira, 17 de Junho de 2024, 12:48 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 17 de Junho de 2024, 12h:48 - A | A

A PARTIR DESTA SEGUNDA

Período proibitivo para uso do fogo é antecipado no Pantanal, diz Mauren Lazzaretti

Conforme a secretária de Estado, o governo de MT identificou incêndios e atua para evitar eventos com fogo de grandes proporções

CAMILA RIBEIRO/JOLISMAR BRUNO
Da Redação/Do Local

A secretária de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Mauren Lazzaretti, afirmou que o período proibitivo de uso do fogo foi antecipado de 1º julho para começar nesta segunda-feira (17) devido a registro de incêndios no Pantanal. Segundo Mauren, o governo de Mato Grosso já oficializou a medida em publicação no Diário Oficial (Iomat) cujo objetivo é ocupar as regiões onde o bioma prevalece, evitando que pequenos eventos ganhem proporções maiores. A restrição segue até 31 de dezembro. 

"Está sendo publicado no Iomat de hoje uma antecipação do periodo proibitivo só para o bioma Pantanal porque o nosso monitoramento apresentou um alerta, os eventos de fogo já se iniciaram e estão exigindo a intensificação das ações. O cenário em Mato Grosso do Sul também é bastante complicado já no mnes de junho e de forma preventiva, com o objetivo de controlar qualquer evento, estamos proibindo o uso de fogo", explicou Mauren Lazzaretti à imprensa durante o lançamento da operação de combate aos incêndios florestais no Sesc Porto Cercado, em Poconé.  

LEIA MAIS: Comandante diz que volume de incêndios em 2024 será mais grave no Pantanal

Nos biomas da Amazônia e Cerrado, está mantido o começo do período proibitivo a partir de 1º de julho. A flexibilidade nas datas foi uma das medidas estudadas a partir de 2020, quando o fogo devastou o Pantanal. Além disso, conforme a secretária, o governo de Mato Grosso também investiu na ampliação e preparo do efetivo, compra de equipamentos e no planejamento de ações. Outro diferencial é o trabalho em conjunto com o governo de Mato Grosso do Sul, agências do governo federal e Ministério do Meio Ambiente. 

"Tivemos a possibilidade de atuar de forma preventiva, estamos nos últimos três anos equipando as equipes do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. Temos brigadistas contratados, com todos os EPIs. A Sema-MT também fez a limpeza preventiva com o uso do fogo para a queima do excesso de biomassa. Antes, os equipamentos não eram entreges. A esterutura para 2024 é totalmente difierente, tanto de insumos para resposta quanto de equipes", disse Mauren. 

A secretária de Estado acredita que o cenário climátivo vive um momento de alerta pois a expectativa é de que sejam registrados fenômenos mais graves do que anos anteriores. No entanto, Lazzaretti frisou que não há como prevê-los, por isso, o investimento em estrutura para que o governo de MT possa dar uma resposta à altura. 

"Não consigo ter bola de cristal para dizer que (os incêndios de 2024) não chegarão nas proporções (dos incêndios de 2020), mas esperamos um cenário bastante critico. Temos a convicção de que a resposta vai minimizar os efeitos do que vimos em 2020, ainda que o cenário de seca e de clima seja pior que era naquele ano. Mas estamos trabalhando para evitar um cenário semelhante", finalizou Mauren. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros