Domingo, 19 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Cidades Domingo, 14 de Abril de 2024, 16:06 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Domingo, 14 de Abril de 2024, 16h:06 - A | A

CADA VEZ MAIS RARO

Na contramão do fechamento de livrarias, sebo se reinventa em Cuiabá

Conforme pesquisa, uma loja que vende livros encerra suas atividades a cada três dias no país, mas empresário da Capital aposta no experimento físico da leitura e se prepara para ampliar atividades no seu espaço

VANESSA ARAUJO
Da Redação

Em um mundo que caminha cada vez mais para o acesso ao conhecimento pelo meio digital, há quem ainda mantenha a tradição de ler um livro físico e ir aos sebos para 'garimpar' as melhores obras. Em Cuiabá, um deles tem se destacado por seu estilo diferenciado e cultural. O Raro Ruído existe há cinco anos e se prepara para ampliar os serviços e tornar o experimento da leitura ainda mais físico. O HNT conversou com o proprietário do estabelecimento, Edson Abreu, de 55 anos, que demostrou toda sua paixão por cultura e livros. 

Uma pesquisa da Associação Nacional de Livrarias (ANL) demonstrou, em 2021, que, no Brasil, uma livraria encerra suas atividades a cada três dias, em média. Nos últimos anos, as grandes empresas do ramo têm entrado em recuperação judicial e falência, mas, apesar do cenário negativo, Edson resolveu apostar e abrir a Raro Ruído. 

“Começou há cinco anos e foi uma oportunidade de um estoque de livros de biblioteca que a gente adquiriu. E aí eu sempre gostei muito de livros, de sebo e tal. Eu achei que seria uma oportunidade de você colocar um negócio que havia poucos, principalmente em Cuiabá. Nós tínhamos apenas um sebo à época”, disse o empresário. 

Vanessa Araujo/HNT

RARO RUÍDO

 

Para Edson, seu estabelecimento representa mais do que um simples sebo, ele a designa como uma loja de cultura, ampliando os horizontes da empresa.

“A gente trabalha com livros. Livro ainda é um produto bastante procurado, mas a gente oferece tudo relacionado à cultura, todos os objetos que têm alguma relação com cultura. Então, você tem discos, você tem camisetas, você tem canecas, você tem materiais, você tem os LPs, CDs. Então, basicamente, é o universo cultural”, explicou Edson.

Questionado sobre os desafios de manter um estabelecimento de livros em um mundo que está cada vez mais digital, o empresário argumenta que algumas pessoas ainda se prendem a sensações que apenas o físico pode causar. 

“A medida que você tem uma população que cada vez mais busca cultura no computador, o desafio é você demonstrar que quando você tem uma loja e a pessoa vai na loja encontrar esse produto, ela tem uma experiência muito diferente daquela que ela teria numa loja virtual. E, então, o que a gente tenta fazer todos os dias é criar elementos que façam com que o consumidor de objetos culturais se sinta atraído para a loja, que ele possa ter a ideia de que na loja ele vai ter uma experiência que ele não teria numa loja virtual”, respondeu Edson. 

AMPLIANDO ACOMODAÇÕES

Ao HNT, Edson contou que em breve o estabelecimento passará por mudanças e os clientes poderão se acomodar no local para beber cafés e sucos, para vivenciar cada vez mais uma experiência em uma livraria, como era feito antigamente. 

Vanessa Araujo/HNT

RARO RUÍDO

 

“A gente, agora, vai implementar uma área com limonada italiana, com café, com bebidas, um ambiente para a pessoa sentar. Uma experiência para aumentar essa experiência da loja física para a pessoa”, contou o empresário. 

Por último, Edson disse que acredita que o acesso à cultura permite que as pessoas possam pensar e refletir cada vez mais sobre a sociedade em que estão inseridas. 

“O contato com obras culturais leva a pessoa para um mundo que às vezes ela ignorava completamente. Um mundo que é bastante instigante, porque qualquer coisa relacionada à cultura instiga a pessoa a pensar, a refletir, a vivenciar o mundo de uma forma diferente. Então, eu acho isso muito importante e a loja tem essa função como meta e objetivo”, finalizou Edson. 

De acordo com Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o adequado é que haja uma livraria para cada 10 mil habitantes. No Brasil, há uma a cada 96 mil

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Neiva Pelissari 16/04/2024

Amo um bom livro e a iniciativa excelente, faltou o endereço.

positivo
2
negativo
0

Jota Alves 15/04/2024

Parabéns Edson..

positivo
0
negativo
0

2 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros