Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Cidades Terça-feira, 07 de Junho de 2016, 14:31 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 07 de Junho de 2016, 14h:31 - A | A

INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA

Localizada em MT, maior ponte de madeira da América Latina será substituída por concreto

REDAÇÃO

O município de Colniza (1.065 km à Noroeste da Capital) em breve contará com duas pontes de concreto sobre os rios Guariba e Aripuanã. As duas, juntas, somam quase 500 metros de obras de arte de engenharia do programa Pró-Concreto da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra).

 

Colniza MT Notícias

Ponte rio aripuanã

 

Uma das pontes de concreto em construção irá substituir a de madeira localizada na rodovia estadual MT-206, no distrito de Guariba, a 200 km de Colniza. Com praticamente toda a base construída, a obra aguarda o processo de secagem estrutural para a concretagem da pista de rolamento da ponte.

 

A nova ponte possui os mesmos 128 metros de comprimento, largura de 9,80 metros (pista simples), com a previsão de entrega para o segundo semestre deste ano. Já a ponte sobre o rio Aripuanã, no trecho da MT-208 entre Aripuanã e Colniza, possui cerca de 55% dos serviços concluídos.

 

Cerca de 200 metros estão construídos, de um total de 350 metros de comprimento, que substituirá os 274 metros da maior ponte da América Latina do segmento de madeira.  A obra de arte de engenharia em construção só perde em extensão para a ponte de concreto sobre o rio Teles Pires, entre Sinop e Porto dos Gaúchos, que possui 375 metros de comprimento. A entrega da obra também está programada para o segundo semestre de 2016.

 

CHUVAS

As pontes de madeira da região Noroeste de Mato Grosso foram as que mais sofreram com a falta de manutenção nos anos anteriores. As localizadas sobre os rios Guariba e Aripuanã foram arrastadas diversas vezes pela força da água acumulada dos rios no período de chuvas, deixando comunidades completamente isoladas.  

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros