Cidades Terça-feira, 12 de Julho de 2011, 18:10 - A | A

Terça-feira, 12 de Julho de 2011, 18h:10 - A | A

CLIMA TENSO

Indígenas presos por assassinato e moradores de Juína temem invasão

Três homens da etnia Rikbaktsa mataram um homem no município e Polícia Civil teme reação

DA REDAÇÃO

Um homem de 54 anos foi assassinado com golpes de taco de sinuca e pontapés desferidos por três indígenas da etnia Rikbaktsa, no município de Juína (734 km de Cuiabá). O motivo do crime, segundo a Polícia Civil, teria sido ciúme da vítima por uma mulher que estava perto dos índios.

Na cidade, moradores temem uma invasão de integrantes da nação Rikbaktsa, que têm aldeias nos municípios de Juína, Brasnorte e Cotriguaçu. A população dessa etnia é tida como feroz.

O crime aconteceu na noite de segunda-feira (11) num bar na zona rural de Juína. Francisco Alvacir Gomes teve morte instantânea. Foram presos Jair Tsaibata Tsé, Marcos Ubudo Rikbaktsa e Mauro Maitede Rikbaktsa. Os três estão detidos no cadeia pública de Juina.

Segundo o delegado José Carlos, da Delegacia Municipal de Juína, a confusão começou quando Francisco Alvacir pegou uma faca, foi até os indígenas e feriu Jair, dizendo que o grupo estava “mexendo” com uma mulher.

Os outros indígenas usaram os tacos de sinuca e desferiram vários golpes na cabeça da vítima, que caiu no chão. Eles aproveitaram para dar chutes na altura das costelas da vítima. O delegado informou quer os índios permaneceram no local e aguardaram a polícia chegar.

Jair foi encaminhado c om ferimento superficial à altura do abdome. Francisco Alvacir foi submetido a exame de necropsia . Resultados estarão prontos em uma semana. O delegado disse que os autores do crime são aculturados e moram nos arredores da sede do município.

Os indígenas foram indiciados em crime de homicídio e podem pegar até 30 anos de cadeia cada um. Até o momento a Fundação Nacional do Índio (Funai) não se manifestou a respeito do caso.




Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros