Quinta-Feira, 23 de Julho de 2020, 16h:30

Tamanho do texto A - A+

Explicações do pastor Silas para as mortes do pai e irmão chocam igreja

Por: KLEBER LIMA / DIRETOR DE JORNALISMO

Reprodução

Pastor Silas

 Pr Silas Paulo: audio gera polêmica

O vazamento de um áudio do pastor Silas Paulo de Souza durante uma pregação na Assembleia de Deus em Tangará da Serra no último sábado (18) está revoltando fiéis da igreja. No áudio, Silas insinua que tanto seu pai, Sebastião Rodrigues de Souza, quanto seu irmão, Rubens Rodrigues de Souza – os dois principais líderes da Assembleia de Deus mortos vítimas de Covid-19 no início do mês – morreram porque a igreja de Cuiabá e Várzea Grande estava “com um comportamento difícil”.

Segundo Silas, essa situação foi mostrada a ele e ao próprio irmão diretamente por Deus. “E Deus falou pra ele assim: Vou te dar mais uma oportunidade. Eu quero a minha noiva em santificação na minha presença. Eu não aceito a minha noiva da forma que está!”, diz Silas Paulo em um trecho da gravação, ao lembrar que o irmão tinha ficado doente anteriormente “por mau comportamento” mas que tinha recebido o perdão divino.

Porém, como “a igreja da Várzea Grande” continuava com “comportamento difícil”, diz ele, “foi justamente aí que entrou o juízo de Deus na vida dele”.

Sobre o pai, Silas Paulo foi ainda mais taxativo. De acordo com a gravação, Silas disse que Deus vinha lhe dando avisos sobre erros da igreja em Cuiabá e Várzea Grande, e que ele os transmitia ao pai, que o mesmo não tomava as medidas necessárias.

“Mas eu não entendia isso, que Deus estava falando comigo, mas não era para falar com ele”, afirma o pastor.

Para Silas Paulo também foi Deus quem lhe disse que seu pai não merecia ser tirado da UTI, onde se tratava do coronavírus, “porque se eu tirar ele vai continuar dando ouvido a muitas pessoas e não vai fazer aquilo que eu tenho que fazer através dele. Entendeu?! E você sabe disso, então libere!”.

Segundo Silas Paulo, Deus foi enfático ao pedir que ele cessasse com as orações pedindo a vida do pai para que fosse feita a sua vontade (de Deus).

“E o  Senhor deixou passar três dias. No quarto dia, o Senhor falou pra mim assim: Não peça mais por ele. Libere para que eu faça a minha vontade. Que eu estou naquela UTI, mas eu vou fazer a minha vontade”.

LEIA MAIS: Juíza Sinii nomeia administrador provisório na Assembleia de Deus

MOTIVAÇÃO

O imbróglio da sucessão da direção da Assembleia de Deus de Cuiabá e Várzea Grande deve acabar no dia 4 de agosto, data para a qual foi convocada uma Assembleia Geral Extraordinária dos membros da igreja para a eleição do novo presidente.

O pastor Silas Paulo de Souza foi indicado pela Diretoria da COMADEMAT (Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de Mato Grosso) para assumir a presidência da subsede da igreja de Cuiabá e Várzea Grande. Para assumir, porém, ele terá se ser homologado pela assembleia geral já convocada. Nos bastidores da igreja, há resistências à indicação, mas ninguém assume publicamente os motivos.

A convocação da Assembleia Geral foi o primeiro ato do pastor Enézio Barreto Rondon, nomeado administrador provisório da igreja pela juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, substituta da 9ª Vara Cível de Cuiabá, na última terça-feira (14) à noite. A convocação é do dia 16 de julho.

“ISSO É ASSOMBROSO”

O áudio foi postado num grupo da embresia de Cuiabá e gerou reações imediatas.

“A leitura crítica-textual do áudio em apreço me deixa profundamente consternado e perplexo com as palavras prolatada”, diz um dos membros do grupo. “No áudio, ele reporta que a enfermidade do irmão é decorrente de negligência espiritual e que sua morte é o resultado de sua convivência com o pecado. Isso é assombroso”, acrescenta a mesma pessoa.

E prossegue: “Na fala endereçada ao pai, fica pior. Ele arroga para si um grau de iluminação maior que o pai. Ao dizer que a continuidade da vida do pai estaria em desacordo com a vontade de Deus, pois o Pr Sebastião, ao continuar com vida daria ouvidos a homens fora da direção de Deus. No caso em tela, ele se referia a quem? Mesa? Comademat?”, indaga.

LEIA MAIS: Igreja empossa novo presidente estadual e indica líder para Cuiabá

O pastor que postou o áudio no grupo disse que ficou “bastante impressionado com a arrogância, também fiquei assustado com a sua fala em relação ao Pastor Rubens e o próprio Pastor Sebastião”.

Já uma enviou um áudio ao grupo afirmando que podia testemunhar a retidão do pastor Rubens. “Esse áudio me deixou triste porque eu sou testemunha viva do pastor Rubens, um homem santo, um homem integro, que pregou a verdade”.

“SE O PASTOR SEBASTIÃO NÃO TIVESSE SALVAÇÃO, NÃO SEI QUEM TERIA”

Reprodução

Pastor Sebastião

 Pastor Sebastião: "Se ele não tiver salvação, quem teria?!"

O Pastor Silas Paulo de Souza confirmou que a voz que aparece na gravação é sua, mas diz que “quem mandou isso, mandou só uma parte. Nunca achei que esse tipo de coisa pudesse acontecer na igreja".

Segundo o pastor, ele estava “aconselhando alguns obreiros de Tangará e contei para eles as dificuldades do pastor Rubens” na condução da igreja, inclusive com base em "confidências que ele me falava sempre".

De acordo com ele, seu irmão havia contraído leshimaniose um tempo atrás, e que teria sido naquele período recebido as mensagens de Deus alertando-o sobre os erros de determinadas pessoas na igreja, e não necessariamente seus.

Já sobre o pai, Pastor Silas disse que a interpretação que tentam dar ao seu áudio chega a ser absurda.

“Se o pastor Sebastião não tivesse salvação, não sei quem teria”, frisou ele, afirmando que seu pai era uma pessoa pura, porém, que algumas pessoas se aproveitavam disso.

“As pessoas se aproveitavam da sua pureza para se aproveitar dele. O pastor Sebastião não tinha coração, ele era coração”, exultou.

Silas Paulo, contudo, não quis dizer quem eram as pessoas que se aproveitaram do seu pai ou do seu irmão, e que falará na hora certa.

“Deus colocou no meu coração para eu ficar calado. Vai ter a hora certa que eu vou falar com todos os obreiros. Mas, agora, qualquer coisa que eu falar vai gerar mais polêmica”, disse ele.

Para a pergunta sobre quem era a “noiva em santificação” referida por ele, disse que era a igreja.

LEIA A ÍNTEGRA DO AUDIO:

"Pastor Rubens, vice-presidente da igreja de Cuiabá, vice-presidente da convenção. E o Pastor Sebastião Rodrigues, meu pai, presidente da igreja, presidente da convenção.

Assim, sabe, uma coisa que fica no ar, uma situação muito difícil. Deus vem falando muito comigo ao longo desses anos. Inclusive, muitas vezes Deus falou comigo assim: Lá em Cuiabá está acontecendo assim, assim e assim. Precisa fazer isso, isso e isso.

E eu ia procurava o Pastor Sebastião e falava pra ele: Pastor Sebastião, Deus falou comigo assim, assim e assim.

Mas eu não entendia isso, que Deus estava falando comigo, mas não era para falar com ele.

E muitas coisas começaram a acontecer – e vocês se lembram que eu mesmo falei algumas vezes aqui das dificuldades que algumas igrejas do Mato Grosso estavam tendo, e até algumas congregações de Cuiabá estavam tendo por causa de comportamentos. A igreja da Várzea Grande, por exemplo, um comportamento difícil.

Deus tratou do meu irmão uma vez. Ele ficou no hospital muito tempo fazendo tratamento quase morreu, vocês lembram disso. Eu pedi oração por ele. Ele, dentro de 30 dias, ele emagreceu 28 quilos. E Deus falou pra ele assim: Vou te dar mais uma oportunidade. Eu quero a minha noiva em santificação na minha presença. Eu não aceito a minha noiva da forma que está!

E ele me falou que ele entendeu essa palavra. Ele chegou lá e pregou essa palavra. Ele perdeu já algumas famílias no começo, mas quando ele viu que o povo começou a sair, ele assustou.

E foi justamente aí que entrou o juízo de Deus na vida dele.

Na semana que o Pastor Sebastião estava internado, eu falei assim: Senhor, o meu irmão o Senhor levou ele hoje, mas o meu pai, cura essa enfermidade dele, tira ele daí, para que ele tenha uma vida digna. Se o Senhor for levar ele um dia, que o Senhor leve ele com honras, porque é um homem honrado. Pelo menos que se faça um funeral, que se faça um velório, e que os pastores estejam presentes, que as autoridades estejam presentes.

E o  Senhor deixou passar três dias. No quarto dia, o Senhor falou pra mim assim: Não peça mais por ele. Libere para que eu faça a Minha vontade. Que eu estou naquela UTI, mas eu vou fazer a minha vontade.

E eu insisti com Deus. Falei: Senhor, mas por que o Senhor não tira ele daquela UTI. E o Senhor disse pra mim assim: Porque se eu tirar ele vai continuar dando ouvido a muitas pessoas e não vai fazer aquilo que eu tenho que fazer através dele. Entendeu?! E você sabe disso, então libere!

Eu vou fazer o que?! Eu fiquei calado. Eu só fiz chorar. Orar e chorar, orar e chorar.

E um dia antes da partida dele, eu vim para Tangará da Serra porque eu sabia que Deus viria por ele e eu não queria ficar lá..."

Avalie esta matéria: Gostei +7 | Não gostei - 17







Mais Comentadas