Cidades Quinta-feira, 08 de Abril de 2021, 09:37 - A | A

Quinta-feira, 08 de Abril de 2021, 09h:37 - A | A

NAS REDES SOCIAIS

Cuiabá "compreta" 302 anos e atinge a valorização do linguajar local por meio das redes sociais

WELLYNGTON SOUZA
DA REDAÇÃO

Cuiabá completa, neste dia 8 de abril de 2021, 302 anos. A Capital do estado de Mato Grosso carrega nesses exatos três séculos e dois anos fortes traços da cultura regional no aspecto histórico, gastronômico e musical. No sotaque não é diferente. Nos útlimos anos, produtores de conteúdo ganharam destaque unindo humor ao “cuiabanês” e, com isso, o linguajar vem sendo ressignificado. 

Gilberto Braga

Suelme.jpg

 Historiador e analista político Suelme Fernandes

O historiador e analista político, Suelme Fernandes, explica que o falar cuiabano passou por um período de preconceito linguístico enorme, a partir da onda migratória dos anos 70/80 e do uso em escala de aparelhos de TVs e das novelas.

De acordo com o especialista, apesar do pouco espaço, o linguajar cuiabano conseguiu quebrar essa barreira. Aos poucos, gastando destaque, o cuiabanês conseguiu descartar então o que muitos especialistas previam: a sua própria extinção.

“A questão da extinção da língua é uma coisa muito séria. Não existe extinção de língua, de dialeto, ela está muito viva. O cuiabano na rua tinha um jeito de falar a partir da década de 60 sofreu muito descriminação, mas preservou no ambiente doméstico. O linguajar não morreu, quem morre são as pessoas”, afirmou em entrevista à rádio CBN Cuiabá.

Suelme comenta que o linguajar cuiabano está sendo ressignificado e ganhou notoriedade principalmente entre os jovens que estão conectados nas redes sociais. “Uma forma de manter isso é por meio das mídias digitais onde tem uma série de influenciadores digitais que trabalham diretamente de forma bem-humorada que ajuda a fortalecer a cultura. O nosso linguajar é muito próprio, divertido e está sendo ressignificado”, comenta.  

 "Cuiabanês" nas redes sociais

O publicitário e digital influencer, José Didier Provenzano, de 35 anos, mais conhecido no Instagram como “Xomano que mora logo ali”, produz conteúdos com o sotaque raiz. Ele já tem mais de 108 mil seguidores na página que compartilha sátiras sobre diversos bairros e situações que acontecem em Cuiabá com uma pitada especial: o humor.

Criado no bairro Cohab Nova, na região do Porto, na Capital, Xômano criou a página em 2014. A inspiração para o conteúdo vem de fatos que marcaram a infância e adolescência do influencer, sempre cercado por elementos que fazem parte da cultura regional. Atualmente, a página de humor é a principal fonte de renda do publicitário. 

Divulgação

xomano.png

 Publicitário e digital influencer 'Xomano que mora logo ali'

“Eu pego referências da minha vida e transformo na linguagem da Internet e com isso acabo fortalecendo a questão da cultura regional com o humor. Por conta da forma como abordo as situações,  a cultura vai se ressurgindo, dando uma nova roupagem e atingindo pessoas das novas gerações que estão nas redes sociais”, comentou ao HNT.

Ele ressalta que no início da página sofreu com o preconceito dos próprios cuiabanos e mato-grossenses pelo dialeto. “No começo [da página] o pessoal de Cuiabá tinha um pouco de vergonha em falar o cuiabanês, mas hoje, até mesmo por ter surgido outras páginas fomentando a nossa cultura pela internet, o pessoal começou a gostar e se identificar com a língua”, ressalta.

Humor no tratamento contra o câncer

Xômano relata que em abril de 2020, logo no início da pandemia, foi diagnosticado com um tumor na região da virilha. Ele ressalta que durante o processo de quimioterapia, o humor foi um remédio essencial no tratamento da doença. “Ou seja, foram duas situações que mexeram bastante comigo, mas o humor foi o meu melhor remédio”.

No entanto, o produtor de conteúdo diz que esse período foi bastante importante para o seu crescimento pessoal e profissional. “Eu vejo que foi uma lição, hoje eu sou uma pessoa completamente diferente de quando eu era antes. Já estou em remissão e fazendo apenas o acompanhamento periódico, mas graças a Deus consegui superar e continuar com o meu trabalho”, relatou.

Entre umas das publicações do "Xômano" é um desafio musical em que a pessoa não deve fazer nenhum movimento ao som de lambadão, um estilo musical tradicional na Capital (veja abaixo). 

O produtor de conteúdo Marcus Paulo de Faria Valentin, o Marquinhos, é idealizador do blog "Experimentando por aí". Por meio das redes sociais, ele compartilha experiências como comidas, bebidas, lugares, músicas, sotaques e outras coisas.

Marquinhos é natural de Alto Araguaia, região Sul do estado, mas ainda recém-nascido voltou para Cuiabá. “Eu era diretor de criação de uma agência de publicidade e fui muito incentivado por colegas para abrir um blog e compartilhar minhas experiências pessoais”, conta.

Divulgação

marcus.png

 Marcus Paulo criador do Experimentando por aí 

Na Internet, ele compartilha receitas dos mais variados tipos. No Instagram,  o @experimentandoporai conta com 36,2 mil seguidores e no Youtube 1,97 mil inscritos. "É uma questão de valorizar a cozinha regional. Inclusive, nessa semana vamos lançar a receita de uma comida típica que só encontra em Cuiabá e iremos compartilhar no domingo".

Marquinhos admite que enquanto adolescente tinha vergonha de falar com o sotaque cuiabano, mas logo percebeu a importância de sempre manter as origens.

“Com a questão do sotaque, na verdade, quando mais novo, eu tinha um certo preconceito, eu tentava tirar o sotaque, mas depois eu percebi e passei a ter muito orgulho do nosso sotaque, da nossa cultura e decidi incorporar isso no blog”.

 

Veja uma das produções abaixo de Xômano e Experimentando por aí 

 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Xôxo (@xomanoquemoralogoali)

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros