Brasil Terça-feira, 27 de Dezembro de 2011, 18:47 - A | A

Terça-feira, 27 de Dezembro de 2011, 18h:47 - A | A

DESENVOLVIMENTO

Para Mantega, Brasil será a quinta economia mundial antes de 2015

Estudo divulgado ontem aponta a economia brasileira como a sexta maior do mundo

DA FOLHA DE SÃO PAULO

Divulgação

O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou nesta terça-feira que nos próximos quatro anos o Brasil poderá desbancar a França e se tornar quinta maior economia do mundo, antes do que prevê o FMI (Fundo Monetário Internacional).

"A previsão do FMI é que em 2015 o Brasil será a quinta economia do mundo, ultrapassando a França. Acho que 2015 está bom, mas acho que pode ser um pouco antes", disse Mantega durante uma entrevista coletiva em São Paulo.

Projeções do CEBR (sigla em inglês para Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios) divulgado na segunda-feira (26) mostra que o Brasil deve terminar o ano como a sexta maior economia do mundo, ultrapassando o Reino Unido.

O ministro considerou que a velocidade de crescimento do país supera a de nações europeias e por isso é "inexorável que nós passemos a França e no futuro, quem sabe, a Alemanha, se ela não tiver um desempenho melhor".

Mantega lembrou que o crescimento econômico do Brasil entre 2003 e 2010 atingiu uma média de 4%, nível que será alcançado novamente em 2012, com previsões entre 4% e 5%.

"Mesmo que esses países consigam superar essa crise forte que estão sofrendo, eles vão voltar a patamar de crescimento baixo, de 2%, e nós vamos estar num patamar de crescimento de 4%, 4,5%, em média. Nosso ritmo será o dobro dos países europeus", disse.

O ministro apontou que a geração de emprego e uma inflação sob controle são os principais suportes para que o Brasil se mantenha na "vanguarda do crescimento".

"O importante é que estaremos crescendo mais em 2012 do que em 2011. O câmbio estará melhor e o crédito estará mais barato", disse.

Na segunda-feira (26), o ministro disse que o país vai se consolidar nos próximos anos como uma das principais potências mundiais, ao referir-se a um estudo que coloca o Brasil como sexta maior economia do mundo.

"Os países que crescerão mais são os emergentes como Brasil, China, Índia e Rússia. Desta maneira, essa posição vai ser consolidada e a tendência é que o Brasil se mantenha entre as maiores economias do mundo nos próximos anos", disse Mantega em comunicado.

O estudo do CEBR (Centro de Pesquisas para Economia e Negócios), com sede em Londres, aponta que o Brasil se encontra agora atrás apenas de Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França na lista de maiores economias do mundo.

A economia brasileira cresceu 3,2% entre janeiro e setembro deste ano, mas nos últimos meses sofreu uma estagnação devido à crise internacional.

O Banco Central informou nesta segunda-feira que os economistas das entidades bancárias do país reduziram sua previsão de crescimento para este ano para 2,9%.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros