Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Brasil Quinta-feira, 22 de Novembro de 2018, 10:19 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2018, 10h:19 - A | A

APROXIMAÇÃO

Assessor de Trump confirma encontro com Bolsonaro no Rio

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, virá ao Brasil na próxima semana para uma reunião com Jair Bolsonaro, em mais um passo para a aproximação entre o governo do presidente eleito e o de Donald Trump. A possibilidade de o conselheiro, que é um dos principais auxiliares de Trump, fazer escala no Brasil antes de seguir para Buenos Aires, no encontro do G-20, foi ensaiada nas últimas duas semanas e anunciada nesta quarta-feira, 21, por Bolton no Twitter. O encontro será no Rio de janeiro na quinta-feira, dia 29.

Reprodução

trump e bolsonaro

 

"Ansioso para encontrar com o próximo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no Rio, em 29 de novembro. Compartilhamos muitos interesses bilaterais e trabalharemos de perto para aumentar a liberdade e a prosperidade em todo o hemisfério ocidental", escreveu o assessor de Segurança Nacional.

O entorno de Bolsonaro já havia feito gestos de aproximação com os americanos durante a campanha eleitoral, em articulações informais feitas pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Em agosto, ele se encontrou com Steve Bannon, ex-estrategista de campanha de Trump.

Há expectativa por parte do entorno de Bolsonaro sobre a presença de Trump na posse do presidente eleito, em 1.º de janeiro, o que deve ser tratado com Bolton. Durante os dois anos de mandato, Trump tem delegado à sua equipe, como o vice-presidente Mike Pence, as visitas à América Latina.

Em discurso em Miami no início do mês, Bolton disse que Bolsonaro seria um "aliado" contra países com regimes de esquerda na América Latina. No mesmo discurso, ele chamou Cuba, Venezuela e Nicarágua de "troica da tirania". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros