Artigos Sábado, 31 de Dezembro de 2011, 11:00 - A | A

Sábado, 31 de Dezembro de 2011, 11h:00 - A | A

Sem motivo para festejar

Bem ao estilo ufanista que nos caracteriza como povo e nação, o Brasil explodiu em manchetes na mídia de que havia ultrapassado o Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte juntos) e agora é a sexta economia do mundo .......

MÁRIO MARQUES

 

DIVULGAÇÃO

 

Bem ao estilo ufanista que nos caracteriza como povo e nação, o Brasil explodiu em manchetes na mídia de que havia ultrapassado o Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte juntos) e agora é a sexta economia do mundo.

Quanto a isso, entre os ditos analistas do mercado, ainda pairam dúvidas se foi a crise econômica e financeira que se abate sobre a Europa que derrubou a economia britânica ou se foi o Brasil que cresceu.
Mas, deixemos de lado essas especulações e vamos às repercussões da notícia.

Pois bem, nessa onda triunfalista, não faltaram “pitacos” e entrevistas de ministros, como o da Fazenda, Guido Mantega, afirmando que, daqui a mais dois ou três anos, o país estará entre os cinco mais ricos do mundo. Sua Excelência só se esqueceu de lembrar que um contingente de 16 milhões de brasileiros ainda vive abaixo da linha da pobreza, vegetando na miséria – o que não ocorre em tamanha extensão demográfica em nenhum país da “quebrada” Europa.

Com milhões de brasileiros perecendo nas filas do SUS país afora, com cerca de 14 milhões de analfabetos que sequer sabem ler ou escrever e o dobro disso de “alfabetizados” que mal soletram e não entendem bulhufas sobre o que leem, esse quadro deprimente está mais para sentir vergonha do que orgulho pelo fato do Brasil haver ultrapassado o Reino Unido no ranking das economias mundiais.

Ao contrário, essa situação mostra o quanto a injustiça social e as desigualdades estão entranhadas em nossa nação – o que, convenhamos, não é motivo para soltar foguetes!

Lembrando ainda que na Inglaterra não existem favelas e nem crianças abandonadas pelas ruas e sarjetas e o índice de crimes contra a vida e o patrimônio das pessoas é infinitamente menor que o verificado na tragédia brasileira em que se transformou a violência, inflando para muito além do suportável e do que pode se considerar civilizado, os números referentes à criminalidade.

Isto sem falar que os roubos do dinheiro público, comuns no Brasil, são ínfimos e praticamente inexistem no Reino Unido! E quando se tem notícia de que algum figurão ou figurinha da vida pública europeia foi pilhado em ladroagens, a punição é praticamente certeira – o que, dificilmente, acontece por aqui. Onde o compadrio entre as elites dirigentes encasteladas nos chamados Poderes Constituídos – salvo pouquíssimas exceções – se autoprotegem contra eventuais punições através de suas redomas e da mútua proteção corporativista.

Obviamente, abolir, ou quando nada diminuir a intensidade dessas práticas delituosas nas esferas públicas, onde o dinheiro dos impostos e que deveria ser aplicado na correção dos desníveis sociais some nos “esgotos” da corrupção, não é tarefa fácil. Portanto, sem conquistar essa riqueza moral, não é justo o regozijo pela econômica.

Os desvios de conduta dos poderosos impedem que o povo comemore o fato de sermos a sexta economia do planeta. Por se tratar de algo com o qual os principais prejudicados por essas mazelas – os pobres e miseráveis – nem mais se assombram!

Apenas sofrem!

(*) MÁRIO MARQUES DE ALMEIDA é jornalista. www.paginaunica.com.br. E-mail: mario@paginaunica.com.br

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

adalberto Ferreira da Silva 31/12/2011

Não sou analista de mercado, mas o PIB creceu 7,5% em 2010, e neste ano ficará em torno de 3%. O Brasil subiu, pois, no ranking econômico mundial, muito mais pela queda da Inglaterra em crise, do que pelo pífio crescimento econômico alcançado neste ano. Quanto a análise sobre a relação PIB versus desenvolvimento sócio-econômico, mais uma vez o colunista nos brinda com uma opinião oportuna, que chama a atenção para as grandes diferenças do padrão de vida do povo inglês com o nosso, que ainda está longe de alcançar o mesmo patamar daquele país, embora o PIB brasileiro acumulado seja maior.

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros