Política Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011, 10:30 - A | A

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011, 10h:30 - A | A

SAÚDE PRECÁRIA

Prefeitura de Cuiabá decide entregar pronto-socorro ao Governo do Estado

Documentação exigida para fechar o acordo entre a o Executivo e o Governo do Estado estará concluída até segunda-feira (26); atendimento precário e mais desgaste motivaram decisão do prefeito Chico Galindo

NOELMA OLIVEIRA

 

Mayke Toscano/Hipernotícias

Atendimento precário e más condições de trabalho são os principais problemas do PS de Cuiabá
A Prefeitura de Cuiabá conclui até a próxima segunda-feira (26) toda a documentação exigida para a conclusão do processo de estadualização do Pronto-Socorro (PS) da Capital. O prefeito de Cuiabá, Chico Galindo (PTB), e o secretário de Estado de Saúde, Pedro Henry, mantiveram uma série de reuniões para definir alguns pontos do acordo.

 

A decisão da Justiça Federal em cancelar o contrato do Estado com a Organização Social de Saúde (OSS) Instituto Pernambucano de Assistência Social (Ipas) – responsável pela gestão do Hospital Metropolitano de Várzea Grande – não interrompe os entendimentos para repassar o PS para o governo estadual.

A juíza federal da 2ª Vara em Mato Grosso, Célia Regina Ody Bernades, determinou o cancelamento do contrato. O governo do Estado vai entrar com um recurso, porém ainda estuda os detalhes da defesa.

O secretário de Comunicação de Cuiabá, Mauro Cid, informou que não haverá problemas no entendimento entre prefeitura e o governo porque o Executivo municipal apenas está repassando a gestão para o Poder Executivo estadual.

Por isso, se houver alguma decisão futura do Governo do Estado em repassar os serviços para uma OSS, conforme o secretário municipal, não será mais uma questão que a prefeitura possa exercer qualquer influência.

Mauro Cid afirmou que, numa conversa na noite de terça-feira (20) com o prefeito, recebeu a informação de que até a segunda-feira, a documentação necessária para fechar o acordo estará pronta.

O atendimento precário no pronto-socorro de Cuiabá é um dos principais problemas enfrentados pelo prefeito, que admite dificuldades na gestão, sobretudo, pela demanda de pacientes do interior do Estado.

Segundo informações, Galindo optou pela estadualização do pronto-socorro – mesmo tendo conhecimento de que o Estado tem o objetivo de repassar a gestão para uma OSS – para evitar um desgaste ainda maior da sua administração.

Outro contraponto da mesma fonte é que, neste momento, o prefeito não teria apoio necessário na Câmara de Vereadores para adotar qualquer decisão de uma possível terceirização de mais um serviço público essencial à população, após a polêmica aprovação no Legislativo da concessão da Companhia de Saneamento da Capital (Sanecap) à iniciativa privada.

A Câmara de Cuiabá, por sua vez, também não estaria disposta a enfrentar mais um desgaste diante da opinião pública para concessão da prestação dos serviços do pronto-socorro. Vereadores da base governistas já haviam criticado esta possibilidade.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros