Sexta-Feira, 22 de Maio de 2020, 16h:00

Tamanho do texto A - A+

Abílio e Medeiros são barrados em Pronto-Socorro e questionam repasses para Saúde em Cuiabá; veja vídeo

Por: KHAYO RIBEIRO

O vereador Abílio Júnior (PODE) se juntou ao deputado federal José Medeiros (PODE) para realizarem uma verificação interna no antigo Pronto-Socorro de Cuiabá. Contudo, os parlamentares foram barrados na entrada da unidade médica. Em tom de protesto, o membro da Câmara municipal pediu ao governo federal para não mandar dinheiro para o setor da saúde na Capital, uma vez que o município já receberia recursos anuais suficientes.

Reprodução

Abílio Júnior e José Medeiros

Deputado federal José Medeiros (PODE) ao lado do vereador Abílio Júnior (PODE)

Com acesso supostamente restringido pela coordenação da unidade, os parlamentares levantaram algumas dúvidas sobre o espaço, que é o centro de referência para tratamento da Covid-19, o coronavírus, na Capital. Dentre os apontamentos, os políticos questionaram a suposta ausência de pacientes no Pronto-Socorro, que só teria 16 pessoas internadas quando a prefeitura divulgou que em toda a Capital há ao menos 98 hospitalizações.

“O pessoal da coordenação que veio aqui disse que tem em torno de uns 16 pacientes. A prefeitura de Cuiabá lançou no site dizendo que aqui em Cuiabá tem 71 pacientes internados. Mas aqui no velho pronto-socorro diz que tem 16”, apontou Abílio. Contudo, ao HNT/HiperNotícias, a secretaria Municipal de Saúde explicou que há 12 pessoas internadas na unidade e que os demais hospitalizados estão distribuídos entre outros hospitais públicos e da rede privada.

Além disso, o vereador apontou que irá entrar com um pedido formal para que possa fiscalizar a unidade. Ele ressaltou que o recurso federal de R$ 23,9 milhões repassados à prefeitura pelo governo federal não estaria sendo bem aplicado, uma vez que haveria falta de infraestrutura no local. Diante do apontamento, o parlamentar pediu para que a Capital não recebesse mais ajuda financeira, mas, sim, que sejam encaminhados equipamentos e outros insumos.

“Não manda dinheiro para Cuiabá, manda equipamentos, manda materiais e insumos. Não manda dinheiro para Cuiabá. Cuiabá não está precisando de dinheiro para a Saúde. Sabe quanto a gente tem de dinheiro para a saúde? Um bilhão de reais por ano e as cirurgias eletivas estão suspensas. Nós não estamos realizando cirurgias eletivas, eles estão cuidando só de Covid. E para cuidar de Covid não tem infraestrutura adequada para a população”, apontou Abílio.

Por fim, em uníssono ao vereador, o deputado disse que acionará o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para que seja implementado uma comissão de verificação dos gastos relacionados à Covid-19 em todo o Brasil. “Isso que você está pedindo aqui para Cuiabá eu vou falar com o presidente Rodrigo Maia. Nós precisamos fazer isso no Brasil inteiro, criar uma comissão externa para verificar em todo o Brasil como é que estão sendo aplicados esses recursos para o combate à Covid-19. Porque é dinheiro público e precisamos ver como é que está sendo aplicado”, frisou Medeiros.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura para esclarecer de que forma os R$ 23,9 milhões recebidos do governo federal estão sendo utilizados no enfrentamento à pandemia. Em resposta, o Executivo municipal apontou que o dinheiro foi utilizado na compra de insumos e também na reforma do antigo pronto-socorro para que a unidade sirva como referência no atendimento a casos de pacientes com Covid-19. Confira a nota na íntegra a seguir:

Em relação aos recursos que Cuiabá recebeu do Governo Federal para o combate ao coronavírus, o secretário Municipal de Saúde, Luiz Antonio Pôssas de Carvalho disse que boa parte foi utilizado para a compra de insumos, medicamentos e de alguns equipamentos. Também foi usado na reforma do antigo Pronto Socorro para ser transformado em hospital de referência para a COVID-19 no município. Além disso, disse que ainda há dinheiro em caixa que será utilizado para mais despesas que forem necessárias até o término da pandemia. Todos os gastos foram protocolados no Ministério Público e no Tribunal de Contas do Estado. Toda a prestação de conta desses recursos será feita para os devidos órgãos de controle.

Confira o vídeo gravado pelos parlamentares durante a fiscalização a seguir:

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei



Últimas Notícias