Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Mundo Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 15:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 15h:30 - A | A

Walter Ortiz renuncia em meio a investigação sobre dissolução de grupo policial

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O ministro do Interior do Peru, Walter Ortiz, renunciou ao cargo na quinta-feira, 16, em meio a investigação do gabinete do procurador geral sobre seu envolvimento, junto a presidente Dina Boluarte, na dissolução de uma importante força-tarefa da polícia. O órgão era responsável por investigar possíveis crimes cometidos pela comitiva da presidente.

Ortiz estava há apenas sete semanas em seu cargo e era o quinto ministro do Interior em um governo impopular profundamente enfraquecido pelas investigações dos promotores sobre a presidente por uma série de crimes, incluindo assassinato, corrupção e enriquecimento ilícito.

A assessoria de imprensa do palácio presidencial informou em nota que o sexto ministro do Interior do governo Boluarte será empossado em uma cerimônia à tarde. Ortiz disse em sua carta de demissão que se demitiu por motivos "estritamente pessoais", sem dar mais detalhes.

O pedido demissão ocorre um dia após a presidente Dina Boluarte comparecer à sede da Procuradoria Geral para ser interrogada sobre outro caso sobre suposta corrupção e enriquecimento ilícito. A investigação começou com o uso de relógios de luxo que ela não declarou em sua lista de bens, uma obrigação para funcionários públicos. Boluarte não dá declarações à imprensa há mais de um mês.

A investigação sobre o desmantelamento da força-tarefa teve início na última sexta-feira e busca verificar alegações de que Ortiz e Boluarte teriam cometido crimes de ocultação pessoal e abuso de autoridade. O grupo policial especializado auxiliava os promotores a investigar o irmão e o advogado da presidente por supostamente fazerem parte de um grupo de tráfico de influência.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros