Sábado, 20 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

Justiça Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 18:59 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 18h:59 - A | A

CANDIDATO ÚNICO

Pré-candidatos à Prefeitura de Colíder sofrem derrotas deixando caminho “livre” para reeleição do prefeito

Caso a inelegibilidade de Jaime Marques e Ana Flávia Ramiro se consolidem, Hemerson Máximo poderá disputar as eleições como candidato único

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Dois pré-candidatos à Prefeitura de Colíder (632 km de Cuiabá) sofreram derrotas judiciais e correm o risco de não consolidarem vaga no pleito de 2024. Com o impedimento do ex-prefeito Jaime Marques e a desaprovação das contas de campanha de Ana Flávia Rodrigues Ramiro, o atual prefeito da cidade, Hemerson Máximo, o Maninho (UB), pode concorrer sem adversários.

Jaime Marques foi condenado no âmbito da Primeira Vara de Colíder por improbidade administrativa. Além de ressarcimento na ordem de R$ 2,1 milhões, determinação judicial também o tornou inelegível.

Jaime foi condenado por dar o próprio nome a um bairro e obras públicas e por construir monumentos à frente de outras benfeitorias com a declaração “Adm. Jaime Marques”.

Ele também é condenado num processo transitado em julgado pela contratação de serviços publicitários de empresa “laranja”. Com o processo encerrado, Jaime passou a se enquadrar na Lei da Ficha Limpa que o impede, pela condenação por improbidade, de exercer seus direitos políticos. Prazo encerra-se somente em 2026, o que deixa Jaime, a princípio, fora da disputa à prefeitura neste ano.

Já Ana Flávia Rodrigues Ramiro deixou de prestar informações sobre as receitas e despesas de sua campanha em 2022. Ela concorria a uma vaga de deputada federal, mas não se elegeu.

De acordo com decisão colegiada do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), Ana Flávia deixou de justificar R$ 324,8 mil em despesas e R$ 2,4 mil em receitas. Somados, os valores representam 52,4% do total arrecadado pela então candidata.

Ana Flávia que tentava uma articulação para entrar na disputa à prefeitura chegou a apresentar informações complementares no decorrer do processo, mas os magistrados entenderam que os esclarecimentos só poderiam servir para reduzir a obrigação de ressarcimento ao erário.

Nesse sentido, a Corte Eleitoral firmou entendimento pela reprovação das contas de campanha de Ana Flávia em 2022. Com a condenação, a pré-candidata também pode sofrer com impedimento de disputar as eleições 2024.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros