Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Justiça Segunda-feira, 20 de Maio de 2024, 08:15 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 20 de Maio de 2024, 08h:15 - A | A

ALEGAVAM PERSEGUIÇÃO

Juíza mantém demissão de enfermeiros de Cuiabá que tiveram contrato rescindido na pandemia

Na época, os enfermeiros denunciaram a falta de equipamentos de proteção no Pronto-Socorro, transformado em unidade de referência no tratamento da covid-19 e acusaram a prefeitura de rescindir os contratos como represália

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especializada de Ações Coletivas, validou a demissão de enfermeiros desligados do antigo Pronto-Socorro de Cuiabá durante a pandemia de covid-19. O Sindicato dos Profissionais de Enfermagem do Estado de Mato Grosso (Sinpen-MT) alegava que a medida teria se dado em represália à cobrança dos profissionais por melhores condições de trabalho. O município, porém, alegou que as rescisões contratuais atenderam determinação do Tribunal de Contas. 

Na época, os enfermeiros denunciaram a falta de equipamentos de proteção no Pronto-Socorro, transformado em unidade de referência no tratamento da covid-19. Logo depois das reclamações, a prefeitura promoveu uma fiscalização na unidade e descobriu que alguns profissionais estavam alocando indevidamente os EPIs. 

Segundo o Sinpen, como 'revanche', a prefeitura teria desligado os profissionais temporários flagrados com os equipamentos 'irregulares'. Os efetivos, por sua vez, teriam sido redirecionados a outras unidades. O sindicato chegou a conseguir liminar para suspender as rescisões, mas a decisão foi revogada. 

Isso porque a prefeitura trouxe aos autos informações sobre determinação do TCE que obrigava a administração municipal a reduzir a quantidade de servidores temporários contratados temporáriamente para que houvesse o chamamento dos candidatos aprovados em processo seletivo. 

A juíza do caso, embora tenha reconhecido que a prefeitura fez as realocações dos efetivos de maneira irregular - por meio de comunicaão interna e não portaria e sem a apresentação de justificativas - concluiu que não houve ilegalidade nas rescisões contratuais. Isso porque, de acordo com ela, os contratos temporários caracterizam relações de trabalho precárias e que podem ser rescindidas a qualquer momento. No caso em discussão, inclusive, os contratos chegaram à data de expiração e a prefeitura não manifestou interesse em renová-los. 

"(...) embora a vistoria realizada tenha ocorrido exatamente no mesmo dia em que ocorreram as relocações e rescisões dos contratos, o que indicaria um possível vínculo entre esses atos administrativos, contudo, não há prova concreta da suposta perseguição alegada", ponderou.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros