Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Justiça Domingo, 23 de Junho de 2024, 14:11 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Domingo, 23 de Junho de 2024, 14h:11 - A | A

ENTERROU FILHO NO QUINTAL

Juiz condena mãe que asfixiou e esquartejou bebê de 5 meses a 34 anos de prisão

Em sua decisão, o magistrado considerou o crime como homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver

CAMILA RIBEIRO
Da Redação

Ramira Gomes da Silva, 22 anos, foi condenada a 34 anos de prisão em regime fechado por matar e esquartejar o filho de cinco meses, Brayan da Silva Otani. O juiz Anderson Candiotto expediu a decisão na última sexta-feira (21), em Sorriso (a 397 km de Cuiabá). Candiotto considerou em seu deferimento a prática de homicídio triplamente qualificado com o agravante de ocultação de cadáver. 

LEIA MAIS: Juiz marca para junho julgamento de mulher que matou e esquartejou filho de quatro meses

Brayan foi asfixiado pela mãe com um travesseiro. Depois de matá-lo, Ramira levou o bebê para a cozinha. Ela cortou os braços e pernas da criança para facilitar a ocultação do cadáver. A mulher guardou as partes do corpo dentro de duas latas de bebida láctea, embalou-as em sacos de lixo e depositou na lixeira. O restante enterrou en um buraco no quintal. Um cachorro acabou desenterrando as evidências do crime e a polícia foi acionada. O caso foi registrado em maio de 2021. 

Segundo a investigação, a mulher matou o menino pois planejava se mudar para outro estado para viver com uma mulher com quem tinha iniciado um relacionamento online. Ela resolveu matar o filho para "facilitar" a mudança, acreditando que o bebê pudesse ser um empecilho para o novo namoro.

Ramira chegou a passar por exame para identificar insanidade mental após a defesa alegar que a acusada sofria de graves transtornos mentais e distúrbios psiquiátricos.

"Estamos satisfeitos com a decisão. foi um ato brutal e covarde. Uma ação perversa”, afirmou o promotor de Justiça, Luiz Fernando Rossi Pipino, ao Só Notícias.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros