Terça-feira, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

Justiça Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 18:20 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 18h:20 - A | A

NO CNJ

Juiz acusado de usar 'laranjas' para participar de empresa será interrogado nesta 5ª

De acordo com a acusação, Raphael Casella seria o verdadeiro proprietário do Hotel Monte Carlo, em contrariedade à Lei Orgânica da Magistratura (Loman), e teria usado laranjas para dissimular sua participação na empresa

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O interrogatório do juiz Raphael Casella, da 8ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso, ocorre nesta quinta-feira (23). Ele é alvo de processo disciplinar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por ter, em tese, dissimulado sua participação societária no Hotel Monte Carlo, em Cáceres (200 km de Cuiabá). Três procuradores da República e uma defensora pública da União foram arrolados como testemunhas do Ministério Público Federal (MPF).

A audiência terá início às 9h e todas as testemunhas de acusação devem ser ouvidas até as 10h45, conforme determinação do relator, conselheiro João Paulo Schoucair. No período da tarde, as quatro testemunhas da defesa deverão ter as oitivas cumpridas. Duas das oitivas agendadas para o período matutino são de testemunhas arroladas por ambas as partes. 

LEIA MAIS: CNJ mantém investigação contra juiz acusado de usar laranjas para participar de empresa

De acordo com a acusação, Raphael Casella seria o verdadeiro proprietário do Hotel Monte Carlo, em contrariedade à Lei Orgânica da Magistratura (Loman), e teria usado laranjas para dissimular sua participação na empresa, incluindo a ex-esposa, Thais Scaff, que também irá depor. 

Diálogos interceptados a partir da apreensão do celular de Raphael Casella, porém, revelaram que era ele quem praticava os atos de gestão do hotel. Testemunhas também confirmaram que o magistrado entregava cartões do hotel para as pessoas que compareciam às audiências na Justiça Federal.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros