Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Justiça Quinta-feira, 27 de Outubro de 2022, 20:09 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 27 de Outubro de 2022, 20h:09 - A | A

DECISÃO DO TRE

Deputado que distribuiu “brindes” de campanha a fiéis de Igreja terá que pagar R$ 10 mil

Os brindes foram distribuídos aos inscritos de um evento da Igreja Assembleia de Deus em junho deste ano

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O juiz Fábio Henrique Fiorenza, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), condenou o deputado estadual Sebastião Rezende (UB) ao pagamento de R$ 10 mil pela distribuição de "brindes" em um evento da Igreja Assembleia de Deus, em junho deste ano. De acordo com a ação, os "brindes" continham o nome e a logo de campanha de Sebastião que, à época, era pré-candidato.

Em sua defesa, o deputado tentou afirmar que os "brindes" foram produzidos e custeados pela Igreja, com o valor pago a título de inscrição no evento, mas a informação foi desmentida pela própria instituição religiosa. A Igreja também afirmou ao TRE que Sebastião Rezende seria a pessoa mais indicada para fornecer as informações requisitadas pela Justiça.

"Ademais, o Representado não contestou nenhuma dessas afirmações das instituições, pelo contrário, sustentou que as participantes quem pagaram pelo bloco ao arcarem com o valor da inscrição e asseverou que o órgão ministerial deturpou o ocorrido com base em recortes das respostas dos diretores da COMADEMAT e da USADEMAT.", acrescentou o juiz na ação.

As controvérsias entre as versões e os elementos probatórios dos autos levaram o juiz a concluir que o material foi pago por Sebastião Rezende.

"Impende ressaltar que o item em questão se enquadra na vedação legal por proporcionar vantagem ao candidato na medida em que oferece utilidade para além do próprio instrumento de divulgação do então pré-candidato", ponderou o magistrado.

Ao final da decisão, Fiorenza julgou a denúncia procedente e condenou o deputado ao pagamento de R$ 10 mil por propaganda eleitoral antecipada.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros