Economia Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 18:40 - A | A

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 18h:40 - A | A

REATIVAÇÃO

Termelétrica de Cuiabá reinicia atividades depois de 4 anos fechada

Funcionando a todo vapor, a usina responderá por até 60% da demanda total por energia de Mato Grosso

KARINE MIRANDA

Imagem de Internet

Paralisada há quatro anos devido a problemas com o abastecimento de gás da Bolívia, a Usina Termelétrica Mário Covas, de Cuiabá, volta a gerar energia amanhã (27) depois de contratos firmados com a Petrobras no último dia 13.

A termelétrica fechou suas portas em 6 de agosto de 2007 por causa da nacionalização dos minerais que o presidente da Bolívia, Evo Morales, promoveu no país acarretando a suspensão do gás ao Brasil. Desde então, esforços foram tomadas para que o gás, principal responsável por manter a usina, voltasse a circular em Cuiabá.

O novo contrato dá à Petrobrás a concessão da distribuição do gás para o funcionamento da termelétrica pelo período de dois anos. Com este documento, os bolivianos passarão a enviar diariamente 2,2 milhões de metros cúbicos de gás pelo gasoduto Bolívia-Mato Grosso que se encontra praticamente desativado desde meados de 2007.

Embora o volume de gás recebido seja alto, ele não caracteriza nenhum aumento na provisão, pois fará parte do total de 30,8 milhões de metros cúbicos diários que a boliviana YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos) vendem atualmente ao Brasil.

A termelétrica tem uma potência de 480 megawatts e passa a ser a maior geradora de energia do Estado, com cerca de 60% da demanda total de energia do em Mato Groso. A partir do reinício das atividades, estudos serão realizados para começar a expansão da distribuição de energia. (Com informações da Assessoria)

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros