Economia Sábado, 03 de Setembro de 2011, 11:55 - A | A

Sábado, 03 de Setembro de 2011, 11h:55 - A | A

Negociação

Por R$ 3 bi, China compra fatia do nióbio brasileiro

O nióbio é um metal usado como liga na produção de aços especiais, para aumentar a resistência.

Folha de São Paulo

Um consórcio formado por cinco empresas chinesas comprou 15% do capital da produtora de nióbio CBMM (Companhia Brasileira de Mineração) por US$ 1,95 bilhão, ou R$ 3,16 bilhões.

O nióbio é um metal usado como liga na produção de aços especiais, para aumentar a resistência.

Dono de 90% das reservas mundiais de nióbio, o Brasil é o centro desse mercado. A CBMM é a maior produtora do mundo, responsável por 80% do total e detentora de reservas com durabilidade estimada em 200 anos.

As siderúrgicas chinesas que se uniram para adquirir a fatia na CBMM são: Baosteel Group Corporation (a maior do país), Citic Group, Anshan Iron & Steel Group Corporation, Shougang Corporation e Taiyuan Iron & Steel Group. A China é a maior importadora de nióbio do mundo.

"O investimento é de grande valor estratégico tanto para as cinco companhias chinesas quanto para a CBMM", informou em nota a companhia, que é controlada pela família Moreira Salles, uma das donas do Itaú Unibanco.

Em março deste ano, a CBMM vendeu outra participação de 15% a um grupo de empresas coreanas e japonesas, pelo mesmo valor.
A competição entre os asiáticos por esse produto aumentou no ano passado, quando a mineradora estatal chinesa East China Exploration comprou o controle da Globe Metals & Mining, australiana com reservas de nióbio na África.

O interesse das siderúrgicas no nióbio brasileiro cresce à medida que aumenta a demanda por matérias-primas mais eficientes e sustentáveis. O ferro-nióbio pode, por exemplo, ajudar a produzir carros mais leves, que consomem menos combustível.

Ele também é utilizado pela indústria do petróleo, de tecnologia eletrônica, aeroespacial e na construção de estruturas metálicas pesadas, como pontes e edifícios.
Segundo a CBMM, a demanda mundial por nióbio cresceu 10% ao ano entre 2002 e 2009.

A empresa vende cerca de 70 mil toneladas de produtos de nióbio por ano. Em 2010, lucrou R$ 1 bilhão e apresentou receita líquida de aproximadamente R$ 3 bilhões.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros