Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Economia Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 17:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 17h:30 - A | A

Murilo Portugal: Políticas fiscal, monetária e cambial se alinharam no Plano Real

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O ex-secretário do Tesouro Murilo Portugal disse nesta segunda-feira que, ao contrário de outros planos, o Plano Real observou um sincronismo entre as políticas monetária, fiscal e cambial. "É muito importante que a política fiscal comece antes da parte monetária, e foi isso que aconteceu no Real", comentou Portugal, que participou da implementação do Plano Real como secretário do Tesouro, cargo que ocupou entre 1992 e 1996.

Esse alinhamento de políticas, observou, não é comum porque as medidas fiscais não só demoram para serem implementadas, uma vez que dependem muitas vezes de votação no Congresso, como também não têm todo o seu impacto incorporado pelas contas públicas de imediato.

No caso do Plano Real, contudo, a arrecadação do governo contava com o reforço do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), que em 1994, ano de lançamento da moeda, já respondia por 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

No mesmo ano, acrescentou Portugal, os Estados já estavam pagando totalmente as suas dívidas com a União, graças a um plano renegociação. Além disso, 20% das receitas do governo foram desvinculadas com o Fundo Social de Emergência (FSE), que permitiu com que recursos destinados a áreas como educação, saúde e Previdência pudessem ser usados para pagamentos de outras despesas consideradas prioritárias e na formação de superávit primário.

Dessa forma, lembrou o ex-secretário do Tesouro, o Brasil conseguiu fazer superávit de 5,17% do PIB, um saldo, lamentou, "infelizmente nunca mais igualado". Portugal, que também já foi presidente da Febraban, a associação que representa os bancos, participou nesta sexta de um encontro na Fundação FHC com economistas da equipe que formulou o Plano Real.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros