Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Cuiabanália Terça-feira, 31 de Maio de 2016, 10:18 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 31 de Maio de 2016, 10h:18 - A | A

Oficina de cururu e siriri propõe resgate folclórico

REDAÇÃO

A Oficina de Cururu e Siriri e seus instrumentos foi iniciada na noite desta segunda-feira (30), na comunidade São Gonçalo Beira Rio, propondo um resgate folclórico, aliado à alegria e à religiosidade das festas de santo. A primeira aula reuniu integrantes do Grupo Flor Ribeirinha, moradores e componentes do Incluart, que trabalha o siriri e o cururu com portadores da síndrome de Down.

 

O objetivo da capacitação é fazer com que os participantes reforcem o conhecimento teórico e compreendam o que estão executando na prática.

Divulgação

Flor Ribeirinha grupo de siriri

 

“Sou filho e neto de cururueiro e sempre vivenciei este contexto. Iniciamos esta etapa com a parte teórica abordando a cultura popular, a confecção da viola de cocho e posteriormente seguimos com a linguagem musical e o manuseio dos instrumentos”, explicou o professor Thomas Flaviano.

 

Formado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Thomas também é cururueiro, compositor, professor de música para crianças em uma escola da rede municipal e integrante do grupo Tradição Cuiabana.A oficina é gratuita e tem duração de 3 meses, com possível prorrogação de mais 3 meses.

 

“A Prefeitura vê esta oficina como um incentivo a mais para os músicos e dançarinos. É uma alegra enorme poder contribuir com este processo de evolução, visibilidade e crescimento”, afirmou o secretário-adjunto de Cultura,José Paulo Traven.

 

De acordo com a presidente e fundadora do grupo Flor Ribeirinha, Domingas Leonor, trabalhar a musicalidade é essencial. “Ensaiamos várias vezes antes das apresentações, tanto a música como a dança, pois acreditamos todos tem que estar no mesmo ritmo. A oficina é maravilhosa”.

 

O coreógrafo do grupo, Avner Augusto, falou sobre a valorização dos quintais realizados durante a programação dos 297 anos de Cuiabá e de como a capacitação influenciará no rendimento dos grupos. “Agradecemos a Prefeitura de Cuiabá pela oportunidade de receber mais informações do segmento. Foi um momento único o que vivenciamos durante as apresentações e estamos empenhados em aprimorar cada vez

mais”, concluiu.

 

As aulas serão realizadas em quatro polos e vão atender 2 ou 3 grupos cada. Entre as localidades, estão a Comunidade São Gonçalo Beira Rio (segundas-feiras, das 19h30 às 21h30), Parque Ohara (quartas-feiras das 19h30 às 21h30), Parque Atalaia (sábados das 17h às 19h) e bairro São Francisco (domingos das 17h às 19h).

 

Estão inscritos os grupos Flor Ribeirinha, São Gonçalo, Flor do Campo, Raízes Cuiabanas, Flor de Atalaia, Coração Atalaiense, Coração Tradição Franciscana e Voa Tuiuiú. Cada um tem em média de 40 a 50 componentes.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros