Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Cuiabanália Quinta-feira, 21 de Abril de 2016, 09:50 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 21 de Abril de 2016, 09h:50 - A | A

A nova Música Nova de Mato Grosso

REDAÇÃO

Assessoria

Orquestra

 

Eles são contemporâneos, ousados e condensam maturidade musical. Com um novo olhar para a produção artística no Estado, trazem na essência a memória musical, mergulho nas artes, e traduzem a nova música nova de Mato Grosso. No dia 15 de maio, o público mato-grossense vai contemplar a efervescência cultural protagonizada pela Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso (OSUFMT) e pelos músicos Ana Rafaela, Lorena Ly, Henrique Maluf, pelo rapper Linha Dura e pelo compositor Caio Mattoso, sob a condução do maestro Fabricio Carvalho, no Teatro Universitário.
 
O espetáculo integra a Temporada 2016 da OSUFMT, que se apropria da modernidade para delinear sua concepção de vanguarda na exibição de experimentações, cujo resultado reflete a dinâmica cultural, ampliação de plateias e a determinação em criar. O maestro Fabricio comenta que a cada concerto, os limites imaginários são rompidos, alcançando novos espaços, provocando observações e mostrando que a música não exige experiência anterior, é sempre oportuna, rica e provocadora. “Ao idealizar este espetáculo, apresentei um desafio aos protagonistas para compor a cena com a OSUFMT. O resultado está arrebatador”, afirmou maestro, contextualizando ao Movimento Música Nova/ Música Viva, liderado pelo compositor e professor alemão Hans Joachim Koellreuter, introdutor da música dodecafônica no Brasil.  
 
A doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, Teca Alencar de Brito, estudiosa da obra de Koellreuter pontuou: “a atualização de conceitos musicais e o contato com a música nova, sem negar a presença e a importância da produção musical de todas as épocas, culturas, gêneros e estilos, acreditando que a música era um meio de ampliar a consciência, Koellreutter considerava a interação com a música contemporânea um aspecto essencial, uma vez que esta refletia e comunicava as transformações e o pensamento de um novo tempo”.
 
Opinião compartilhada pelo maestro Fabricio, que acrescenta: “Koellreutter fundou em 1939 o grupo Música Viva, que se estendeu a 1950 e tornou-se uma das referências mais notáveis da música nova brasileira em sua época”.  O compositor instalou uma jovem e original escola de composição brasileira, 3 manifestos (1944, 45 e 46), séries de conferências, audições públicas, publicação de boletins e uma série de emissão radiofônica, entre outras iniciativas.
 
Koellreuter foi influenciado pelo regente Hermann Scherchen, que o levou à música moderna. Ainda jovem, já era conhecido e respeitado na Alemanha como flautista de concerto, começava sua carreira de regente quando Adolf Hitler ascendeu ao poder. Ao ficar noivo de uma moça judia, desagradou sua família, que simpatizava com o nazismo e o denunciou à Gestapo. Exilou-se então no Brasil onde foi morar no Rio de Janeiro.
 
Numa releitura da nova música nova de  Mato Grosso, o espetáculo exibe a diversidade musical. Com habilidade vocal absoluta, as cantoras Ana Rafaela e Lorena Ly  transitam com muita  naturalidade no palco e nas notas. “Intérpretes com forte propriedade artística, tais quais Elis Regina, Clara Nunes, Maria Bethânia, as  cantoras Lorena e Ana Rafaela  possuem identidade própria em seus trabalhos. Ganharam reconhecimento nacional ao participarem do The Voice Brasil e são reverenciadas pelo país”, comentou Fabricio.
 
Lorena Ly nasceu em Mato Grosso e guarda em sua essência o interior que ecoa pelo mundo. Com sensibilidade apurada para contemplar poéticas,  encontra na música brasileira, a multiplicidade que busca em seu amadurecimento artístico. Ao comentar sobre o concerto, emociona-se: “Ao perceber a nossa composição executada nas mais diversas nuances que a Orquestra propicia, minha alma se revela em emoção. Difícil colocar em palavras a rítmica do coração”.
 
Desde muito cedo, Ana Rafaela já sabia qual seria seu destino: a música, afinal cresceu entre artistas,  neta do consagrado saxofonista Mestre China. Multimídia, a cantora também se dedica à composição, além do talento para interpretar. Com CD solo lançado no ano passado, ela se destaca nas mídias sociais, considerada a artista de maior referência na internet neste estado. Aluna do curso de Música da UFMT, Ana Rafaela  destaca que é um sonho para uma cantora popular vislumbrar a beleza de sua canção acompanhada pela grandiosidade de uma orquestra. “Poucos artistas têm essa oportunidade de subir ao palco com uma Orquestra, é um privilégio. Sonho com este espetáculo todos os dias”, conta ela.
 
Também estudante de Música da UFMT, Henrique Maluf traz a versatilidade em seu DNA. Da música folclórica da região de Cáceres, onde nasceu, ao rock, passando pelo samba, soul e pela MPB, Henrique é cantor, instrumentista, arte educador, arranjador, compositor e atua com produção e direção artística.  Com extenso repertório cultural revitalizado  ao longo de 15 anos, começou 2016 gravando seu primeiro EP com músicas autorais, resultado de sua pesquisa, misturando Rasqueado, Samba, Black Music, numa aquarela de sons que formam a multifacetada cara do artista.
 
Com uma linguagem urbana, Linha Dura é Rapper Cuiabano engajado em movimento social e militante do Movimento Hip-Hop, desde 1996. A influência familiar traz em sua veia os sons e ritmos da raiz negra, que embalou sua infância em Barão do Melgaço, rica na preservação da cultura popular. Para Linha Dura, este foi o início de uma grande história musical, pois desde então o som e a importância da valorização da cultura popular tem influenciado e muito suas composições: “o Siriri e o Cururu é mais do que som, é uma manifestação afro-mato-grossense”.  No palco, Linha utiliza o som, ritmo e letras para falar sobre educação, valorização da cultura local, políticas públicas e protestos, num entrelaçado de arte e cidadania.
 
Apontado pelo maestro Fabricio como o novo nome da música erudita de Mato Grosso, Caio Mattoso assina a composição que abre o espetáculo. Sua trajetória agrega experiências na banda Donalua, ator do grupo Teatro Fúria, de filmes, “Caio Mattoso e os Arteiros”, que reunia artistas da música, artes visuais e da dança. Atualmente, realiza performance com seu personagem irreverente Geraldi, o leiloeiro, nascido no Sarau das Artes Free desde 2011. Estudante de filosofia, Caio tem experimentado outras formas de composição musical utilizando plataformas de softwares de produção e edição (composição digital), tornando seu trabalho na música mais denso e completo. Vale destacar que os ingressos para assistir a Nova Música Nova de Mato Grosso já estão à venda na Casa de Festas e ingressosmt.
 
Serviço:
O Quê: Nova Música Nova de Mato Grosso - a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso (OSUFMT),  Ana Rafaela, Lorena Ly, Henrique Maluf,  Linha Dura e Caio Mattoso
Quando: . Dia 15 de maio
Horário: 20 horas
Local:  Teatro Universitário.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros