Sexta-Feira, 22 de Maio de 2020, 10h:31

Tamanho do texto A - A+

Secretário critica “kit Covid-19” com cloroquina e diz que nem o presidente deve prescrever remédio

Por: KHAYO RIBEIRO

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, criticou a criação de um “kit Covid-19” proposta pela cidade de Barra do Garças (520 km de Cuiabá). Nesta sexta-feira (22), o gestor disse que a prescrição do fármaco e de qualquer outro medicamento não deve ser decidida pelo governador, por ministros ou ainda pelo presidente da República, mas, sim, pelo médico de cada paciente acometido pela doença.

Reprodução

figueiredo.png

Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo

O uso do medicamento relacionado ao combate da Covid-19 ainda gera muito desconforto entre diversos setores sociais. Até o momento, os estudos sobre o tratamento do coronavírus pela aplicação do fármaco ainda são iniciais e dividem opiniões na comunidade científica. Contudo, mesmo sem nenhuma comprovação final de resultado positivo no combate ao coronavírus, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a distribuição do fármaco em março deste ano. Posteriormente, Mato Grosso recebeu um estoque de três mil comprimidos.

Durante transmissão nos canais oficiais do governo, Figueiredo apontou que  a criação de kits para qualquer tipo de doença pode ser interpretada como uma forma de dirimir a necessidade do acompanhamento médico. “Essa história do primeiro estado a lançar um kit parece brincadeira. Para todas as doenças poderia já ter um kit preparado então, não precisaria nem de fazer um curso de Medicina para analisar sintomas do paciente e prescrever o medicamento ideal para isso. Não concordo com isso, isso é algo nocivo para a população que vende a imagem de que é uma solução segura, mas não é”, apontou o secretário.

A prefeitura de Barra do Garças apresentou um protocolo de medidas na terça-feira (19) no qual dois kits serão distribuídos à população, sendo que em um destes há a presença da cloroquina. Durante a live, o secretário negou que o estado de Mato Grosso tenha implementado uma política de distribuição do fármaco para a população, reforçando que os comprimidos recebidos foram repassados às unidades de referência para serem utilizados, quando julgado necessário, em pacientes com o quadro agravado pela Covid-19

“Essa é uma responsabilidade dos médicos, o medicamento está a disposição de todos nossos hospitais de referência. Então, não há neste momento impedimento no estado de Mato Grosso de se utilizar. Médico que entender, à luz do diagnóstico do paciente, das comorbidades que tem, o risco da administração seja positivo ou negativo ele toma essa medida se o paciente estiver lúcido ele pode tomar em pleno acordo com o paciente e se ele não estiver lúcido em pleno acordo com os familiares”, apontou Figueiredo.

Com fala enfática sobre o tema, o secretário reforçou que a decisão de aplicação do medicamento não está sob sua responsabilidade. “Então, não é o governador, não é o secretário, não é o ministro e não é o presidente da República que prescreve remédio para o tratamento da Covid ou para nenhuma outra enfermidade”, finalizou.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei



2 Comentários

Ze da roça - 22/05/2020

PARA MIM QUEM EU POSSO CONPARAR COM HITLER SÃO OS GUERRILHEIROS COMUNISTAS QUE MATA SEUS POVOS IGUAL CHINA E VENEZUELA E ESSES PERTENCE AO GABINETE DO ÓDIO LULA FIDEL CASTRO FERNANDO HENRIQUE HUGO CHÁVEZ MADURO RODRIGO MAIA DORIA AÉCIO NEVES DILMA ROUSSEFF

Ze da roça - 22/05/2020

O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO ESTÁ CERTO DE ENTREGAR O KIT COVID 19 UMA VEZ QUE NO BRASIL ESTÁ CHEIO DE URUBU COMUNISTA QUERENDO O AUMENTO DE MORTE E QUEBRANDO A NOSSA ECONOMIA ISSO PORQUE BOLSONARO ESTÁ IJETANDO DINHEIRO PARA GOVERNADORES E PREFEITOS ISSO É ABSURDO DAÍ É POSSIVEL SENTIR NÍVEL DE PREFEITOS E GOVERNADORES

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA