Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Cidades Quinta-feira, 30 de Junho de 2016, 14:42 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 30 de Junho de 2016, 14h:42 - A | A

OPERAÇÃO RIOS VOADORES

PF prende oito por desmatamento e grilagem em Mato Grosso; quadrilha movimentou R$ 1 bilhão em três anos

REDAÇÃO

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (30) a Operação Rios Voadores, com o objetivo a desarticular de organização criminosa especializada em desmatamento ilegal e grilagem de terras públicas federais no Estado do Pará. Após arredamento das terras usurpadas, elas eram usadas pelo grupo para o desenvolvimento de atividade econômica agropecuária.

 

Divulgação

desmatamento - extracao ilegal de madeira

 

Também participam da operação o Ministério Público Federal, a Receita Federal do Brasil – RFB e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis – IBAMA. Ela foi deflagrada no Distrito de Castelo dos Sonhos-Altamira/PA, Novo Progresso/PA, nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

 

Cerca de 95 policiais federais, além de auditores da RFB e analistas do IBAMA, cumprem as 51 medidas judiciais: 24 prisões preventivas, 9 conduções coercitivas e 18 mandados de busca e apreensão, em empresas e casas pertencentes aos investigados. 

 

Em Mato Grosso foram cumpridos oito mandados de prisão: quatro em Sinop, dois em Sorriso e dois em Guarantã do Norte. Policiais ainda cumprem dois mandados de busca e apreensão em Sinop, um em Guarantã e outro em Sorriso, onde também é cumprida uma condução coercitiva.

 

As investigações começaram após a Operação Kaiapó, realizada pelo IBAMA, em 2014, por meio de atos de fiscalização no interior e no entorno da Terra Indígena Menkragnoti, situada no Município de Altamira/PA.  Foram  apreendidas 26 motosserras e 3 motocicletas, além de desmontados 11 acampamentos. Também foram detidas 40 pessoas e identificado o responsável pelo desmatamento da área embargada (mais de 13 mil hectares).

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Operação Ararath/PF/policia federal

 

Consta que o principal investigado desmatou, entre os anos de 2012 e 2014, mais 29 mil hectares, sendo multado pelo IBAMA na cifra de R$ 119 milhões. Segundo informações da Receita Federal do Brasil – RFB, a organização criminosa, por meio de pessoas físicas e jurídicas que a compõe, movimentou mais de R$ 1 bilhão, entre os anos de 2012 e 2015, grande parte de origem ilícita ou incompatível com os rendimentos dos titulares das contas.

 

De acordo com as investigações, os principais investigados e beneficiados com a prática criminosa eram protegidos por outros membros da organização que serviam como “testas de ferro”. Mediante a falsificação de documentos e outras fraudes, estas pessoas de confiança dos cabeças da organização criminosa assumiam a propriedade da terra grilada por seus “patrões” chegando a admitir a prática de crimes ambientais. Eles preservam o nome dos reais autores da conduta, quando flagrados em fiscalizações do IBAMA realizada durante uma das fases da investigação.

 

ESTRUTURA DO CRIME

A organização criminosa estruturava-se em quatro núcleos: 1) núcleo operacional (executam o desmatamento); 2) núcleo referente aos agentes que compram terras desmatadas ilegalmente; 3) núcleo financeiro (financia o desmatamento); 4) núcleo familiar (dissimulação das vantagens econômicas obtidas). O núcleo operacional subdividia-se em i) grupo dos agenciadores de mão de obra, “Gatos”; ii) grupo dos gerentes das fazendas desmatadas ilegalmente; iii) grupo dos “Testas de ferro”; iv) grupo dos agrimensores (produzem cadastro ambiental fraudulentos).

 

Os crimes investigados são: organização criminosa; falsificação de documentos; a prática, de forma reiterada e habitual, de desmatamento ilegal, ateamento de fogo e grilagem de terras públicas federais, na Amazônia brasileira (visando a criação/venda de gado e plantação/venda de soja/arroz); ocultação e dissimulação das vantagens econômicas obtidas.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Talisia 30/06/2016

CONFORME A REPORTAGEM, PARA COMBATER O ALTO INDÍCE DE DESMATAMENTO QUE VEM OCORRENDO NO ESTADO DE MATO-GROSSO, TEM DE TER DIVERSAS MEDIDAS DE CONTROLE,ENTRE ELAS A INTENSIFICAÇÃO DA FISCALIZAÇÃO DAS MADEIRAS EM TRANSITO E NA FLORESTA E PUNIR RAPIDAMENTE COM AÇÕES REPRESSIVAS, NÃO SÓ QUEM DESMATA, QUEM TRANSPORTA MAIS TAMBÉM AQUELES QUE A FINANCIA O CRIME AMBIENTAL,PORQUE OS GOVERNO E OS DEPUTADOS NÃO ESTÃO NEM AI PARA ESSA QUESTÃO TÃO SÉRIA QUE É O DESMATAMENTO E AINDA MAIS SE NÃO FREAR ESSES DESMATAMENTOS E EM POUCO TEMPO COM O AQUECIMENTO GLOBAL É A DESTRUIÇÃO DA FAUNA, FLORA E DO PRÓPRIO HOMEM.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros