Cidades Terça-feira, 01 de Novembro de 2011, 18:05 - A | A

Terça-feira, 01 de Novembro de 2011, 18h:05 - A | A

LEMBRANÇAS

Mais antigo cemitério de Cuiabá guarda a memória política do Estado

Piedade, no centro da Capital, era ponto de encontro de vários personagens da sociedade cuiabana e tudo era administrado por “seu” Epifânio, antigo funcionário que morreu em acidente de trânsito

Mayke Toscano/Hipernotícias

Túmulos de personalidades que fizeram a história de Mato Grosso e até do Brasil estão localizados no Cemitério da Piedade

A existência do Cemitério da Piedade, o mais antigo de Cuiabá, localizado no centro da cidade, se cruza com as biografias de personagens que ali foram sepultadas e que contribuíram com as transformações da cidade, alguns do Estado e outros até mesmo do país.

Praticamente o Cemitério da Piedade nasceu com a cidade Bom Senhor Jesus de Cuiabá, como era chamada antigamente a Capital, ou seja, algo em torno de 290 anos.

O local se prepara para receber visitantes no Dia de Finados, nesta quarta-feira (2). Tem cerca de 3,2 mil túmulos, quase sem espaço para se andar por entre eles, indicando que foi surgindo tal qual a cidade, de acordo com a necessidade de sua ocupação.

Um dos colaboradores na força-tarefa montada para deixar o cemitério limpo no Dia de Finados é o baiano Luiz Eugênio Feitosa, 72 anos. Questionado sobre o que ele achava do cemitério mais antigo da cidade, soltou uma metáfora: “plantaram a turma muito junto”, disse o simpático senhor indicando que um dos problemas são os espaços estreitos para andar dentro do cemitério.

NOMES

A inscrição de 1.815 cravada na entrada do cemitério foi feita bem depois que o local passou a receber sepultamento de várias figuras públicas do meio político, artístico e muitos anônimos que fazem parte de famílias tradicionais cuiabanas.

A partir de 1969, uma figura fez história no próprio cemitério. “Seu” Lino Epifânio da Silva morreu atropelado em outubro de 2009 quando ia para o trabalho. Fez do lugar a sua vida em tempo integral. Acordava bem cedo para chegar ao trabalho por volta das 5h30 e sair somente às 19h. 

Lino Epifânio administrou o cemitério da Piedade por 40 anos. O filho e atual responsável pelo local desde que o pai morreu, Joel Epifânio da Silva, disse que em tempo algum se lembra do pai tirar férias. “Meu pai ficava mais no cemitério do que em casa. Ele dizia: o que vou ficar fazendo em casa? Dizia que aqui era uma terapia. Têm amigos dele que frequentavam aqui e alguns vêm até hoje, eles vinham e liam jornal, falavam de política. Na época do meu pai ficava cheio aqui”, relata Joel, que revela a dimensão do Cemitério da Piedade como um ponto cultural da cidade.

O ex-administrador que transformou o cemitério em ponto de encontro para falar sobre as notícias políticas da cidade ajudava a enterrar vários personagens em que pela atuação, mesmo que falecidas, permanecem na memória da cidade.

No Dia de Finados é o momento para a população, principalmente a católica, reverenciar seus antepassados, orar, acender velas e lembrar-se das figuras que foram importantes para Cuiabá.

Como por exemplo, visitar o túmulo simples do historiador Estevão de Mendonça. Suas lembranças e memórias sobre a cidade até hoje sobrevivem, inclusive com uma rua que leva o seu nome.

Estevão de Mendonça nasceu em 1869 e como dizem as inscrições de seu túmulo, “nasceu na madrugada de Natal” e faleceu em 1949, com 80 anos de idade.

Ao lado de Mendonça está enterrado Augusto João Manuel Leverger, mais conhecido como Barão de Melgaço que nasceu em 1802 e morreu em 1880. Na sua lápide a carta geográfica de Mato Grosso. Leverger foi uma das figuras literárias mais influentes de sua época e foi nomeado Cônsul-Geral em 1839 para estabelecer boas relações com o Paraguai.

Outra lápide também chama atenção pela riqueza de detalhes, uma espécie de lamparina feita à mão em mármore carrara do coronel Rogaciano Monteiro de Lima, que faleceu em 1907.

Um dos heróis da guerra do Paraguai, Antônio Peixoto de Azevedo ,assim como tantos outros personagens do conflito, está enterrado na Piedade. Em sua lápide feita também em mármore carrara, as inscrições “Ilustre cuiabano coronel Antônio Peixoto de Azevedo, faleceu em 11 de janeiro de 1867 em Coruzu, em batalha defendendo o império contra o governo do Paraguai”. Azevedo tinha 47 anos quando morreu.

Outros personagens como Liu Arruda, família Müller e o próprio criador das “Diretas, Já!”, Dante Martins de Oliveira estão enterrados no cemitério da Piedade. Na lápide de Dante está gravado: “Jamais seremos um povo livre enquanto tivermos um só brasileiro analfabeto, um único compatriota desempregado, uma única criança passando fome nas ruas ou favelas”.

O político tucano teve um dos maiores sepultamentos presenciado pelo “seu” Lino Epifânio. O filho Joel Epifânio diz que a quantidade de pessoas que visitam o cemitério da Piedade reduziu de uns tempos para cá. “Cada ano diminui mais o número de visitantes porque os idosos diminuíram e os jovens procuram muito pouco o cemitério. Os jovens não tem cultural de visitar os parentes falecidos”, explica.

Joel diz não ter complicações para administrar o cemitério. Já são oito anos trabalhando seguindo os passos do pai. “Para mim que acompanhei meu pai não teve diferença. Aqui é complicado apenas se a pessoa que não tem conhecimento do assunto”, disse.

Na mesa de trabalho, Joel Epifânio guarda a lembrança do pai em uma foto. Epifânio, assim como tantos outros, fez a história do cemitério se cruzar com as memórias da cidade.


Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

KRUGERSON MATTOS 18/01/2013

Bom dia! Permita-me apresentar:sou o Capitão Mattos, historiador do 10º R C Mec, se- diado em Bela Vista-MS...O site é bom, porém, pode ser melhorado e ampliado... A título de exemplo,embora não foi cita-do, aí acha-se o túmulo do coronel Pe- dro José Rufino - herói da Guerra do Pa-raguai e citado pelo Visconde de Taunay em sua memorável obra "A Retirada da La-guna"...Ocasião que no posto de capi- tão, comandou o glorioso quartel do "1º Corpo de Caçadores a Cavalo" (atual 10º R C Mec)...Nossa sugestão é a de que, dos mais de 3000 sepultados neste cemi- tério, fossem selecionados e relaciona- dos no site,uma centena ou mais de per- sonalidades de realce,contendo uma mi- cro-biografia da pessoa citada (ex.: nome completo, procedência, datas do nascimento e falecimento, fato de proje-ção, etc.)... Um forte abraço aos cria- dores do site.

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros