Cidades Quinta-feira, 28 de Julho de 2011, 15:41 - A | A

Quinta-feira, 28 de Julho de 2011, 15h:41 - A | A

LONGE DE ENCERRAR

Investigações de crimes de repercussão estão com investigações suspensas

Familias esperam solução para os casos dos jovens que caíram no Pantanal Shopping e do empresário morto no banco Itaú

ALIANA F. CAMARGO
aliana@hipernoticias.com.br

Mayke Toscano/Hipernotícias
Pais de Keisa de Souza, em coletiva sobre a morte da filha. Esperam que as causas sejam apresentadas

A suspensão de investigação por causa da greve dos policiais civis deixam paralisados casos importantes como os fatos da morte do empresário Adriano Malissael e dos jovens que faleceram depois da queda de mais de 12 metros no Pantanal Shopping.

No caso do Shopping Pantanal, a família está aguardando o inquérito ficar pronto para depois entrar com a ação na Justiça. A tragédia aconteceu no dia 21 de junho.

Na época da tragédia, a delegada que apura o caso, Alexandra Campos Mensch Fachone apresentou que o resultado ficaria pronto no dia 28 de julho, mas até o momento a Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica)  não informou quando sairá o resultado das investigações.

O advogado Marcelon Angelos que acompanha a família dos dois adolescentes mortos, Keisa de Souza, de 12 anos e Marcelino Santos, de 14 anos não se pronunciou sobre o caso.

Na época do acidente, oito adolescentes tiveram acesso a uma das saídas de emergência do Pantanal Shopping. Os adolescentes passaram à uma área restrita e chegaram ao telhado do prédio, a uma altura de 12 metros.

MORTE NO ITAÚ

Outro caso de repercussão e que aconteceu no mesmo dia da tragédias dos adolescentes, envolveu o empresário Adriano  Henrique Marissaeli, de 71 anos, morto dentro do Banco Itaú pelo segurança Alexssandro Abílio de Farias que fez três disparos contra o dono do tradicional restaurante Adriano. O inquérito seria apresentado no dia 28 de julho.

Porém, o delegado Antonio Carlos Garcia disse que desde a greve dos investigadores, iniciada no dia 1 de julho, já soma-se mais de 30 investigações que estão suspensas atrapalhando em 100% o trabalho. Em todos os cartórios da delegacia existe cerca de 800 outros casos que estão para ser investigados e podem ser retomados com o final da greve.

O segurança Alexssandro Abílio, que fugiu do local através de uma moto roubada, se apresentou seis dias depois na Delegacia Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) com seu advogado e disse ao delegado Antonio Carlos Garcia que o empresário o ameaçou por diversas vezes.

Além disso, Alexssandro Abílio disse em depoimento que Adriano Marissael o chamava de “macaco preto”, o que caracteriza preconceito racial. Após as declarações o segurança foi liberado e aguarda a sentença em liberdade.

O vigilante do banco, vai responder pelos crimes de homicídio e roubo. A pena para homicidio é de 30 anos por ser crime qualificado e de causas fúteis e torpes.

LEIA MAIS SOBRE OS CASOS

Advogado pretende entrar com ação contra Pantanal Shopping

Delegada aponta possíveis falhas de informação sobre segurança em shopping

Vigilante diz que matou porque empresário o chamou de 'macaco preto' e o ameaçou de morte 
 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros