Quarta-feira, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

Cidades Segunda-feira, 20 de Maio de 2024, 16:26 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 20 de Maio de 2024, 16h:26 - A | A

DECISÃO TEMPORÁRIA

Greve na educação de MT é rejeitada, mas categoria mantém campanha por reajuste

Medida foi tomada durante assembleia geral que ocorreu na manhã desta segunda-feira, em frente à Seduc

JOLISMAR BRUNO
Da Redação

A cogitada greve geral na rede estadual de educação não foi aprovada pelos servidores na assembleia realizada na manhã desta segunda-feira (20), em frente à Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em Cuiabá. Porém, a categoria decidiu manter o calendário da campanha por reajuste salarial. Na assembleia, a maioria dos servidores votou contra a paralisão. A próxima assembleia está prevista para 12 de agosto de 2024. 

LEIA MAIS: Sintep fará assembleia geral na frente da Seduc contra desvalorização salarial

Conforme o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), a decisão em não fazer a greve é temporária. Um acampamento deve ser montado entre 15 e 19 de julho, em Cuiabá, como uma das ações da campanha pelo reajuste salarial. O local exato ainda não foi divulgado. Além da falta de reajuste salarial, que tem ocasionado o "empobrecimento" dos professores, como alega o sindicato, a categoria também reivindica o fim do confisco e a realização de concurso público. 

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, que esteve na assembleia, destacou a importância da divulgação das atividades que serão realizadas nos próximos dias e meses pelo Sintep-MT e afirmou que o Estado tem recursos suficientes.

"A assembleia da categoria deliberou por uma agenda de atividades que precisamos de cada um para divulgar. Não podemos aceitar o discurso de que não tem recursos financeiros para a educação. Somo a 9ª economia do mundo. Esse estado tem recursos suficientes para garantir verbas públicas. E nós, trabalhadores da educação, temos a responsabilidade de informar toda população de lutar e conquistar nossos direitos", disse. 

O Sintep tem pressionado o governor Mauro Mendes (UB) e afirma que o gestor não dialoga com os profissionais da educação. Contudo, Mendes já disse não temer as "ameaças" do Sintep e rebateu afirmando que o Executivo está aberto para conversar. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros