Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Cidades Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 16:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 16h:30 - A | A

ASSASSINATOS DE PEIXOTO

CRM suspende exercício profissional do médico envolvido em duplo homicídio

Decisão foi tomada de forma unânime pelos conselheiros da autarquia, nesta terça-feira

SABRINA VENTRESQUI
Da Redação

O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) suspendeu o exercício profissional do médico Bruno Gemilaki, denunciado de participação nos homicídios dos idosos `Pilson Pereira da Cruz, de 81, anos e Rui Luiz Bogo, de 69 anos, e das tentativas de homicídio contra Enerci Lavall, o 'Polaco', e o padre José Roberto Domingos, praticados em 21 de abril deste ano, em Peixoto de Azevedo (673 km de Cuiabá). A decisão foi tomada de forma unânime pelos conselheiros da autarquia, nesta terça-feira (21). 

LEIA MAIS: Justiça torna fazendeira, filho e cunhado réus por duplo homicídio em Peixoto de Azevedo

Por meio de nota, o CRM explicou que a decisão foi tomada a partir da análise da conduta de Gemilaki na participação do duplo homicídio e em relação à sua omissão de socorro às vítimas. Apontou também que o envolvimento do médico no crime resulta em dano irreparável ou de difícil reparação ao prestígio da profissão. 

“Por unanimidade, os conselheiros aprovaram a  interdição cautelar total do exercício profissional do médico por entenderem que o seu envolvimento nos crimes que ocorreram em Peixoto de Azevedo resulta em fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação ao prestígio e bom conceito da profissão médica, circunstância que autoriza a aplicação da interdição cautelar, conforme prevê o art.. 30 do Código de Processo Ético-Profissional. A análise do caso por parte dos conselheiros observou tanto a ação de Bruno, apontado pelo Ministério Público como um dos autores dos crimes, quanto sua omissão ao não prestar socorro às vítimas”, diz trecho do pronunciamento.

A suspensão do exercício profissional de Gemilaki passará a valer imediatamente depois que o Conselho Federal de Medicina referendar a decisão da autarquia mato-grossense.

O CASO 

Bruno Gemilaki foi até a casa de Enerci Lavall acompanhado da mãe, Inês Gemilaki, e do irmão de seu padrasto, Eder Gonçalves, na tarde de 21 de abril. Lá, Inês atirou diversas vezes e acabou matando Rui Luiz Bogo e Pilson Pereira da Cruz. 

A família, que era inquilina de Enerci Lavall, alega que estava sendo ameaçada por ele por terem deixado avarias e um aluguel atrasado no imóvel onde o crime ocorreu.

O caso foi levado à Justiça por Enerci e pela esposa dele, Raquel Soares, mas a decisão foi favorável aos Gemilaki. No entanto, as cobranças teriam prosseguido até culminarem no crime. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros