Quarta-feira, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

Cidades Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018, 15:58 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018, 15h:58 - A | A

GREVE NA EDUCAÇÃO

Com 1,2 mil profissionais sob licença médica, Sintep reivindica concurso e melhores condições

KHAYO RIBEIRO

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep), João Custódio da Silva, declara que a saúde dos trabalhadores da educação é uma das principais reivindicações da greve de professores, que se iniciará na próxima segunda-feira (01). As más condições e sobrecarga de trabalho tem debilitado os profissionais.

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Assembléia Professores/Sintep/greve

 Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público

Segundo a liderança, o quadro de professores do município conta com cerca de 1.200 professores fora das salas de aula, sob licenças médicas. O presidente avalia a situação como preocupante, uma vez que, comparado ao número total de servidores (efetivos e contratados), cerca de 9.400, os licenciados representam mais de 12%.

 

Reivindicações

 

Em assembleia realizada na última quarta-feira (26), o sindicato decidiu pela greve por tempo indeterminado para o dia 01 de outubro. Dentre algumas das reivindicações estão: a manutenção dos salários por meio do ganho real, estipulado em 4%; a homologação da lei orgânica do município, que está finalizada desde 2017 e a abertura de concursos públicos na área da educação.

 

“Outro ponto importante é a questão da infraestrutura, as unidades de educação precisam ser reformadas e climatizadas”, afirma o presidente do Sintep.

 

A liderança declarou que já havia sido realizada uma reunião anterior com o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB). Todavia, como o gestor propôs reajuste salarial apenas para os profissionais efetivos em exercício, a proposta não resultou em nenhuma medida que contemplasse a categoria como um todo.

 

“Já havíamos dialogado, mas o que recebemos como resposta não solucionava a classe dos trabalhadores da educação de maneira integrada”, finaliza Silva.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros