Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019, 14h:30

Tamanho do texto A - A+

Advogado diz que servidora tem provas mas só apresentará em juízo

Emerson Marques também revela "pressão política" sobre Elizabete Almeida, a servidora que denunciou o prefeito. Orientação é para proteger as provas

Por: PAULO COELHO

A servidora pública Elizabete Maria Almeida promete apresentar o que classifica de provas contundentes sobre as denúncias que ela mesma  fez em Boletim de Ocorrências (BO) contra o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) assim que for intimada a depor. De acordo com seu advogado, Emerson Silva Marques, a servidora garante que possui tais provas. “Ela me disse que ele tem vídeos, conversas e áudios e eu já a aconselhei a guardar bem esse material por questão de segurança”, disse  Marques, em entrevista ao HNT/HiperNotícias.

Ainda conforme o advogado, quanto ao principal vídeo “ela me disse que não foi ela quem filmou e sim uma outra mulher, mas ela tem".

reproduçao

elizabete denunciante emanuel

 Elizabete Maria Almeida

Emerson Marques também admite que está havendo uma pressão política muito grande em cima de Elizabete.

“Querendo ou não existe uma pressão externa em cima disso. Existe um processo de quebra de decoro parlamentar contra o vereador Abílio [Brunini Júnior]. Ele arrolou ela na Comissão de Ética da Câmara. Obviamente que o Abílio não tem esse material que ela alega ter. Então, o Abílio tem receio de que ela venha a destruir esse material e ele, então , ficar falando ao vento. Por outro lado, com esse material na mão, a situação do prefeito e dos demais vereadores  fica ruim, e nesse ponto há sim uma pressão política sobre ela”, argumentou.

Marques aponta como exemplo dessa  pressão o fato de um assessor da Câmara Municipal de Cuiabá ter pedido cópia de todo o material que a servidora diz ter consigo.

Até por isso o advogado explica que recomendou cautela à sua cliente no sentido de só se manifestar [inclusive compartilhando  cópias de provas] em juízo ou à autoridade policial.

Ele  enfatiza  que  o Ministério Público orientou pelo pedido de autorização da Justiça, no sentido de se abrir um inquérito policial para investigar o prefeito e somente depois disso, Elizabete irá depor e entregar o material probatório que tem em mãos.

“Nós estamos nas vésperas de uma campanha política e lógico que preciamos de todo cuidado nesse momento. Adversário político é adversário político. Infelizmente a política funciona assim. O prefeito é o denunciado e o vereador Abílio que a levou para esse situação, ou seja a pressão política é de ambos os lados”, enfatizou Emerson Marques.

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei







Mais Comentadas