Domingo, 21 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

Brasil Segunda-feira, 17 de Junho de 2024, 19:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 17 de Junho de 2024, 19h:45 - A | A

Deputada evangélica retira assinatura do projeto que equipara aborto a homicídio

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

A deputada federal Renilce Nicodemos (MDB-PA) pediu para que a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados retire o nome dela da lista de assinaturas do projeto de lei que equipara o aborto ao crime de homicídio. O pedido da parlamentar, que faz parte da bancada evangélica e da base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi feito na última quarta-feira, 12, mas só foi protocolado nesta segunda-feira, 17.

A deputada diz que assinou o projeto sem saber que a proposta poderia fazer com que mulheres que abortam fetos provenientes de estupro tenham uma pena maior do que os violentadores sexuais.

"Após essa constatação, a deputada fez a retirada da assinatura porque tem certeza absoluta que esse projeto não irá favorecer nem as mulheres, nem as crianças, somente os agressores e estupradores" afirmou a parlamentar em nota.

Renilce também declarou que é contra o aborto, menos nos casos em que a vida da gestante está em risco e quando o feto é resultante de estupro. Ambos os casos já estão previstos na legislação brasileira.

Com a retirada da assinatura de Renilce, o projeto de lei passa a ter 32 coautores, sendo encabeçado pelo deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). Dos 32 deputados, 11 são de partidos que têm ministérios no governo federal e dez são mulheres. São eles:

- Sóstenes Cavalcante (PL-RJ)

- Evair Vieira de Melo (PP-ES)

- Delegado Paulo Bilynskyj (PL-SP)

- Gilvan da Federal (PL-ES)

- Filipe Martins (PL-TO)

- Dr. Luiz Ovando (PP-MS)

- Bibo Nunes (PL-RS)

- Mario Frias (PL-SP)

- Delegado Palumbo (MDB-SP)

- Ely Santos (Republicanos-SP)

- Simone Marquetto (MDB-SP)

- Cristiane Lopes (União Brasil-RO)

- Abilio Brunini (PL-MT)

- Franciane Bayer (Republicanos-RS)

- Carla Zambelli (PL-SP)

- Dr. Frederico (PRD-MG)

- Greyce Elias (Avante-MG)

- Delegado Ramagem (PL-RJ)

- Bia Kicis (PL-DF)

- Dayany Bittencourt (União Brasil-CE)

- Lêda Borges (PSDB-GO)

- Junio Amaral (PL-MG)

- Coronel Fernanda (PL-MT)

- Pastor Eurico (PL-PE)

- Capitão Alden (PL-BA)

- Cezinha de Madureira (PSD-SP)

- Eduardo Bolsonaro (PL-SP)

- Pezenti (MDB-SC)

- Julia Zanatta (PL-SC)

- Nikolas Ferreira (PL-MG)

- Eli Borges (PL-TO) (autor do requerimento de urgência)

- Fred Linhares (Republicanos-DF) (solicitou a coautoria em requerimento à parte)

Ala feminina do MDB rejeita o projeto de lei

Neste domingo, 16, o MDB Mulher, ala feminina do partido de Renilce, publicou uma nota se posicionando de forma contrária às mudanças na legislação atual que rege o aborto legal no País.

"Somos a favor da vida da mulher. E esse posicionamento não pode excluir a vida das mulheres e meninas, das vítimas de violência que - muitas vezes - são revitimizadas por não conseguirem acesso ao aborto nos casos em que a atual legislação prevê. Meninas são estupradas no Brasil todos os dias. Elas são vítimas e não podem ser penalizadas por buscarem seus direitos. Não podem ser presas. E suas vidas também importam", afirmou a ala feminina do MDB.

Votação deve ficar para depois das eleições após repercussão negativa

Na última quarta-feira, 12, mesmo dia em que Renilce enviou o pedido de retirada da assinatura, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) aprovou, em votação relâmpago e simbólica, a urgência do projeto de lei. Desta forma, a proposta vai ser analisada diretamente no plenário, sem precisar passar antes por discussões em comissões temáticas da Casa.

Após a repercussão negativa da aprovação da urgência, Lira viu o próprio nome vinculado à matéria, que ficou conhecida como "PL do Estuprador". Para remediar o dano na imagem, o presidente da Casa disse que pautará uma deputada mulher, de centro, e moderada, para ser a relatora do projeto.

Sóstenes Cavalcante, por sua vez, deu sinais de que a proposta não deve ser votada por agora. Segundo o parlamentar, a apreciação do texto deve ficar para depois das eleições municipais de outubro.

Nesta terça-feira, 18, o projeto vai ser tema da discussão do Colégio de Líderes. A tendência é que as lideranças partidárias foquem na regulamentação da reforma tributária. De acordo com aliados do presidente da Câmara, o tema econômico é uma "prioridade total" para ele.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros