Quinta-Feira, 14 de Novembro de 2019, 10h:24

Tamanho do texto A - A+

Aprendendo a escutar

Por: DUMARA VOLPATO*

Divulgação

Dumara Volpato


Músicas, notícias, informações... com tantos sons e ruídos ao nosso redor, o que verdadeiramente escutamos? Qual, de fato, é a melodia que reverbera em nossa alma e toca nossos corações? Quantos de nós temos a sensação de não ter voz em meio a uma zoada de conversas fúteis e banais? Sim, todos nós almejamos contar nossas verdades e desejamos essencialmente que elas sejam escutadas. E é sobre esse tema que conversaremos hoje.

Para aumentar a nossa compreensão a respeito desse assunto, faremos algumas considerações. Primordialmente se faz necessário entender a diferença entre ouvir e escutar. O ato de ouvir é um reflexo que possuímos e está conectado a capacidade que nossos ouvidos tem de captar os sons e ruídos que chegam até eles, ou seja, está diretamente ligado a nossa audição. É um processo mecânico que independe da nossa vontade e que acontece no momento em que a comunicação sonora chega a nossa oitiva, é um ato inconsciente.

Já a ação de escutar vai além, é uma ação consciente e requer que a pessoa preste atenção ao assunto, tenha vontade de entender o que está sendo ouvido. Sinta o que verdadeiramente as palavras estão transmitindo e perceba muitas vezes até o que não é dito. A arte de escutar consiste em captar o que existe entre as palavras, prestar atenção naquilo que está latente.

Partindo desse contexto trago aqui uma reflexão: Será que estamos escutando o que diz nosso coração? Escutando o que fala nossos sentimentos? Escutando o que grita nosso corpo? Escutando o que um familiar tem para nos dizer? Escutando um amigo em sua verdade?

Como podemos então aprender a escutar? Precisamos querer e exercitar esse querer. Podemos fazer uma prática simples: Escolha alguém que conviva contigo diariamente para te auxiliar nessa vivência. Deseje conhecer essa pessoa e escutar a sua verdade. Se coloque diante dela em silêncio e em paz. Abra seu coração para ela da maneira que ela é e permita que ela adentre ao seu coração e a escute com atenção. Faça essa pequena experiência por várias vezes, com diferentes pessoas. Você ficará surpreso o quanto irá aprender.  Aprender a respeito da pessoa que vos fala, a respeito de outra perspectiva de Vida e a respeito de você.

Quando escutamos, nos colocamos em silêncio, em paz, com o coração aberto para o outro, sem reservas e sem julgamentos. Deixando que o outro entre em nosso coração, nos conectando assim a sua essência. Passamos  a conhecer o outro verdadeiramente, alcançamos suas dores e alegrias. Nessa postura aprendemos e percebemos que quanto mais escutamos o outro, mais nos conhecemos e nos reconhecemos em sua história. Passamos a compreender o outro e entender a nós mesmos e a valorizar a nossa história. Aprendemos a escutar o ritmo do nosso coração, o canto da sabedoria, a harmonia da Vida e o chamado do amor.

Quero finalizar esse artigo hoje com uma frase que traduz um pouquinho do que conversamos: “A arte de escutar é como uma luz que dissipa a escuridão da ignorância.” – Dalai Lama.

(*) DUMARA VOLPATO é advogada e Terapeuta em Constelação Familiar com Curso em Hellinger Sciencia pelo Instituto Hellinger do Brasil; Formação em Constelação Familiar pelo Instituto CreSer de Campo Grande – MS; Curso de Aprofundamento em Novas Constelações e Curso de Análise Transacional pelo Instituto de Constelações Familiares Brigitte Champetier; e Praticante Profissional de Cura Reconectiva e Reconexão, pelo The Reconection, Califórnia – EUA. E-mail: dumaravolpato@gmail.com

Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei







Mais Comentadas