Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Polícia Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022, 08:43 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022, 08h:43 - A | A

CONTRA POLICIAIS E ADVOGADOS

"Operação Clear Sky" apura crimes de concussão e advocacia administrativa em cidades de MT

Investigação conseguiu apontar que os valores pagos a título de fiança formalizada nos autos eram inferiores aos que havia sido pagos pelos familiares dos presos, sendo que se “vendia” um preço global que os presos e seus familiares deveriam pagar

DA REDAÇÃO

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quarta-feira (19), a 'Operação Clear Sky', para cumprimento de oito mandados de busca e apreensão e seis medidas cautelares diversas de prisão, com objetivo de apurar crimes de concussão, de advocacia administrativa e de associação criminosa. A ação tem como alvo cinco policiais, servidores e ex-servidores da Delegacia de Marcelândia, além de dois advogados que atuam na mesma cidade (a 640 km de Cuiabá).

As ordens judiciais são cumpridas nas cidades de Cuiabá, Vila Bela da Santíssima Trindade, Peixoto de Azevedo e Marcelândia. 

A investigação conduzida pela Corregedoria Geral da Polícia Civil apurou os crimes de concussão, de advocacia administrativa e de associação criminosa ocorridos, em tese, no município de Marcelândia, pelo menos desde 2018.

Segundo as investigações, os policiais civis previamente ajustados em unidades de propósitos com advogados, com estabilidade e permanência, passaram a exigir, para si e para outrem, direta e indiretamente, em razão da função, vantagem indevida, consistente na exigência ainda que dissimulada, da contratação de advogado específico ou alguém por este indicado, sob pena de encaminhar o preso em flagrante para o presídio “Ferrugem”, em Sinop.

A investigação conseguiu apontar que os valores pagos a título de fiança formalizada nos autos eram inferiores aos que havia sido pagos pelos familiares dos presos, sendo que se “vendia” um preço global que os presos e seus familiares deveriam pagar, não especificando o que seria fiança e o que seriam honorários advocatícios, para que eles se livrassem soltos.

O cumprimento dos mandados conta com o apoio da Diretoria de Atividades Especiais, por meio das equipes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor) e Delegacia Especializada de Crimes Fazendários (Defaz) e da Diretoria Metropolitana, através da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá.

NOME

A operação foi batizada de “Clear Sky” com a finalidade de fazer uma alusão ao céu limpo, no sentido de demonstrar que a partir da ação da Corregedoria Geral os presos e seus familiares tenham a liberdade de contratar qualquer advogado na cidade, e estes não sejam impedidos de exercer suas atividades na Delegacia de Polícia do Município de Marcelândia.

 

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros