Terça-feira, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

Polícia Segunda-feira, 13 de Maio de 2024, 12:16 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 13 de Maio de 2024, 12h:16 - A | A

CORPO NO IML

Mochila de Celso com itens de trabalho e pessoal é encontrada perto de onde corpo foi desovado

suspeita é que os assassinos tenham vasculhado a mochila do professor e pegado cartões de crédito

JOLISMAR BRUNO
DA REDAÇÃO

A mochila do professor Celso Odinir Gomes, de 60 anos, foi encontrada nas proximidades de onde o corpo do educador foi localizado na sexta-feira (10), em Cuiabá. No interior da mochila foram encontrados um uniforme do Colégio Salesiano Santo Antônio, onde Celso lecionava, algumas outras peças de roupas, provas escolares e um pen drive. O corpo de Celso ainda está no Instituto Médico Legal (IML). 

Durante as investigações para localização do corpo, cartões de banco e uma prova escolar aplicada por Celso foi encontrada. A suspeita é que os assassinos tenham vasculhado a mochila do professor e pegado os cartões. O carro de Celso também foi encontrado na região do bairro Jardim Imperial. 

Conforme já reportado pelo HNT, quatro pessoas foram presas acusadas de envolvimento no crime, sendo dois adolescentes de 16 e 17 anos e dois adultos de 18 e 20 anos. Contudo, os dois maiores de idade já foram liberados pela polícia, por não haver indícios de flagrante contra eles. Já os adolescentes seguem apreendidos por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. 

LEIA MAIS: adultos presos por suspeita de envolvimento na morte de professor são liberados

O CASO

Celso desapareceu no dia 3 de maio, quando saiu da casa em que morava, em Cuiabá, com destino à sua chácara, em Santo Antônio de Leverger (33 km de Cuiabá). Por não dar informações de seu paradeiro, no dia seguinte, os familiares foram até a casa de Celso, em Santo Antônio, e não encontraram sinais dele no imóvel. A família registrou o boletim de ocorrência e a polícia deu início às investigações. 

Segundo depoimento de um dos envolvidos prestado à DHPP, Celso teria tentado aliciar o adolescente de 17 anos, quando deu uma carona para ele, o que motivou o crime contra o professor. 

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros