Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Mundo Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018, 11:31 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018, 11h:31 - A | A

Putin 'provavelmente' está envolvido em assassinatos, diz Trump

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, "provavelmente" está envolvido em assassinatos e envenenamentos. "Mas eu conto com eles", acrescentou, sem detalhar em que áreas ou situações. O Reino Unido acusa Moscou de orquestrar o ataque com uma substância neurotóxica ao ex-espião russo Sergei Skripal na Inglaterra.

Em entrevista ao programa "60 Minutes", da emissora CBS, o republicano foi questionado sobre se Moscou de fato interferiu nas eleições presidenciais americanas de 2016. "Eles interferiram, mas acho que a China interferiu, também", respondeu.

"Você realmente acha que eu chamaria a Rússia para me ajudar com uma eleição? Eles não conseguiriam me ajudar em nada. Chamar a Rússia... É tão ridículo", desdenha Trump em determinado trecho do programa, que foi ao ar ontem.

Ainda nessa temática, o presidente americano alega que, "francamente, a China é um problema maior" que a Rússia. "Posso (impor mais tarifas sobre importações da potência asiática). Depende. Eles querem negociar. Tenho grande química com o presidente Xi (Jinping). Não podemos continuar com a China tirando US$ 500 bilhões por ano dos EUA em forma de comércio e outras coisas."

Quando indagado sobre como as obrigações adicionais sobre compras no exterior podem encarecer produtos americanos para consumidores do seu próprio país, Trump retrucou que "até agora, acabou não sendo esse o caso". "Eles (Pequim) podem retaliar (com novas cobranças extras sobre importações americanas), mas não têm munição suficiente para retaliar", alegou o presidente.

Ele argumentou ainda que não está tentando empurrar a China rumo a uma depressão, mas alegou que o país asiático está "caindo 32% em quatro meses", sem especificar a que indicador se referia. "Quero que negociem acordo justo conosco, quero que eles abram seus mercados como os nossos são abertos."

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros