Mundo Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011, 10:17 - A | A

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011, 10h:17 - A | A

4 DÉCADAS

Plano do Japão para desativar Fukushima deve durar 40 anos

Reatores da central nuclear atingiram nível de estabilidade

PORTAL G1

Imagem da Internet

Usina nuclear de Fukushima Daiichi

A desativação da central nuclear de Fukushima Daiichi levará entre 30 a 40 anos, afirmou o governo japonês nesta quarta-feira (21), quando foi revelado o novo programa de trabalhos para a próxima fase de limpeza da usina nuclear. “O trabalho será feito em várias etapas", explicou Goshi Hosono, ministro do Meio Ambiente, em uma entrevista coletiva.

Segundo a agenda, o primeiro passo será a retirada do combustível utilizado das piscinas de desativação dentro de dois anos. Ao mesmo tempo serão reforçados os sistemas de resfriamento para reatores e piscinas, assim como as diferentes instalações. A extração do combustível nos reatores 1 a 3 acontecerá em 10 anos e deve demorar mais de duas décadas.

Nos dois casos serão necessárias novas técnicas, destacou Hosono, já que a situação de Fukushima não tem precedentes: edifícios destruídos, um nível de radioatividade alto e combustível derramado sobre a plataforma de cimento da área de confinamento em três dos seis reatores do complexo.

O desmantelamento do complexo destruído pelo terremoto e tsunami de 11 de março não será concluído antes de 40 anos, prevê o governo. “Temos que realizar os trabalhos evitando gerar novos riscos”, disse o ministro da Indústria, Yukio Edano.

Na sexta-feira (16), o governo japonês confirmou que os três reatores nucleares do complexo nuclear de Fukushima, danificados pelo tsunami de março deste ano, alcançaram uma "parada fria", ou seja, estão estáveis com temperatura abaixo de 100 graus centígrados. A etapa é importante pois marca a estabilização do local e abre o período de preparação para o desmantelamento.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros