Terça-feira, 18 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,42
euro R$ 5,83
libra R$ 5,83

Mundo Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 16:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 16h:00 - A | A

DESIDRATADOS

No México, dezenas de macacos caem mortos de árvores devido ao calor

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Mais de 130 macacos bugios morreram devido às fortes ondas de calor no Estado de Tabasco, no México, neste mês. Os animais foram encontrados depois de caírem de árvores. Os moradores locais resgataram os primatas que apresentavam sinais de vida. O país registrou 45º C de temperatura nesta terça-feira, dia 21.

O veterinário Sergio Valenzuela encontrou, desde o dia 5 de maio, os corpos de 138 primatas embaixo de árvores. De acordo com Valenzuela , as mortes dos bugios foram causadas por um conjunto de fatores, que incluem o calor intenso, a seca, os incêndios florestais e a dificuldade de os animais encontrarem água devido à extração de madeira. "Eles estavam em um estado de desidratação grave e morreram em questão de minutos", afirmou o médico à Associated Press.

Na semana passada, cinco bugios foram levados por uma equipe de bombeiros voluntários para serem atendidos pelo veterinário, que avalia que os animais tiveram insolação. Após o atendimento, os primatas voltaram a reagir como antes da queda, apresentando recuperação. "Os macacos estão mordendo novamente", disse Valenzuela à AP.

Além das altas temperaturas, a queda de galhos altos contribui para a morte de muitos desses animais. Os habitantes da região tentaram ajudar os macacos, colocando água e frutas para eles comerem. A ajuda, no entanto, pode prejudicar ainda mais os primatas, especialmente os filhotes. O veterinário explica que, por serem muito delicados, os bugios mais novos correm o risco de morrer ao ter contato com patógenos, existentes em cães e gatos domésticos. O ideal, segundo Valenzuela, é que os bugios sejam atendidos por especialistas e soltos na natureza.

Atitude do governo

Na última segunda-feira, 20, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que soube da morte dos animais pelas redes sociais. O governante parabenizou Sergio Valenzuela e ofereceu apoio à iniciativa do veterinário.

Além dos animais, o calor está afetando a vida de pessoas no país. No dia 9 de maio, nove cidades registram recordes de temperatura - Ciudad Victoria marcou 47º C.

O México tem apresentado chuvas abaixo da média e seca de lagos e represas. As autoridades enviaram caminhões-pipa para abastecer os hospitais e veículos do corpo de bombeiros. A falta de água também contribuiu para apagões de energia em algumas partes do país.

Para o veterinário Valenzuela, as mortes dos bugios são uma espécie de aviso da natureza sobre problemas no ecossistema. "Elas (as mortes) estão nos dizendo algo sobre o que está acontecendo com as mudanças climáticas", adverte.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros