Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Justiça Terça-feira, 16 de Agosto de 2016, 13:35 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 16 de Agosto de 2016, 13h:35 - A | A

COLABORAÇÃO DIRIGIDA

Nadaf confirma que arrecadou R$12 mi para campanha de Silval mediante promessas a empresários

JESSICA BACHEGA

Em depoimento revelador na tarde desta segunda-feira (15), ao juízo da Sétima Vara Criminal, o ex-secretário Pedro Nadaf, acusado de envolvimento na Operação Sodoma, afirmou que mentiu em seu depoimento anterior e revelou como foi introduzido no esquema fraudulento e como este teve início.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro nadaf

 

Nadaf contou no depoimento que durante o período de campanha à reeleição de Silval Barbosa (PMDB) para governador, conseguiu arrecadar R$ 12 milhões. “Nessa época procurávamos as doações e fizemos algumas promessas para alguns empresários”, afirmou o ex-secretário.

 

Ele disse que após a eleição as propinas eram cobradas para pagar as despesas da campanha. No entanto, a cobrança se tornou cada vez mais frequente até se tornar a organização. Além de pagar contas, colaborou para o enriquecimento dos membros do esquema, visto que o dinheiro que sobrava era dividido entre os mesmos. “O dinheiro era para pagar as despesas da campanha, alimentar o caixa dois do grupo e divisão entre cada um”, contou.

 

Conforme contou em seu depoimento, cada membro tinha um papel definido dentro da organização e estas funções foram formadas desde o início do mandato de Silval. Nadaf relatou, durante a audiência, que nem todos participavam de todas as operações e o dinheiro era dividido de acordo com o envolvimento de cada um em cada situação. “Silval se valia de várias pessoas dentro e fora do governo”, detalhou.

 

Em uma das operações, foi envolvido o empresário João Batista Rosa, delator do esquema, que havia se comprometido a doar R$ 2 milhões para a campanha em troca de benefícios. “Nos fizemos um negócio. Ele tinha essa dívida, porém disse que não tinha como pagar tudo. Eu paguei a dívida para ele e depois ele passou a pagar para mim”, disse o acusado. 

 

Neste cenário, o empresário João Batista, que é dono das empresas Casa da Engrenagem e Tractor Parts, repassou durante quatro anos vários cheques ao ex-secretário para sanar a dívida. Os cheques eram de cerca de R$ 30 mil, depositados mensalmente na conta de Nadaf. O ultimo pagamento referente a pendencia ocorreu no mês de junho de 2015.

 

Com o pagamento, João Batista foi inserido no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic) e permaneceu isento de pagar Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

 

“Ele até poderia ter entrado no programa porque sua empresa se enquadrava, mas eu fiz toda a documentação para que ele participasse do benefício rápido e sem nenhum critério”, ressaltou.

 

Aberta a fala para as defesas dos demais acusados, o advogado de Marcel de Cursi, Golth Valente, questionou o réu se, como ele estava sendo reinterrogado e estava fazendo várias revelações, ele havia mentido no depoimento anterior. Nadaf respondeu que sim, que havia mentido. “Eu não confessei por orientação da defesa, mas de agora em diante estou disposto e revelar sobre tudo que sou acusado e fiz parte”, frisou.

 

Com as novas revelações, a defesa o ex-governador afirma que também pode usufruir do direito de interrogatório. O advogado Ulisses Rabanada não quis comentar sobre o depoimento, mas adiantou que a possibilidade de Silval falar novamente não está descartada. 

 

O advogado de Nadaf, Willian Kalil afirmou que não existe, no momento, a possibilidade de seu cliente assinar uma delação premiada, e que ele irá colaborar pontualmente com informações de situações em que esteja envolvido. “Ele veio aqui para esta confissão e a orientação, que é também uma vontade dele, é de responder pelo que ele fez”, disse o jurista.

 

Em seu depoimento concedido na tarde desta segunda, por alguns momentos o ex-secretário chorou e pediu desculpas pelo dano que causou à sociedade e ao Estado. Ele se compromete a colaborar na elucidação dos fatos e disponibilizar os bens para ressarcimento dos prejuízos decorrentes de sua conduta. 

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

amaral 16/08/2016

- Tem alguma coisa estranha nesta confissão do NADAF: ele atuava na concessão de incentivos - PRODEIC - e o numero de empresas beneficiadas ou extorquidas é superior a 70, conforme já foi publicado, logo, se de uma delas - João Rosa (Tractor Parts) que é pequena, foram extorquidos R$.2.500.000,00, ele não arrecadou só R$.12.000.000,00 que está falando. O valor é muito maior.....

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros