Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Justiça Quinta-feira, 13 de Outubro de 2022, 09:33 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 13 de Outubro de 2022, 09h:33 - A | A

INFRAÇÃO EM SORRISO

MP notifica prefeito de MT a não transportar eleitores para votar em Bolsonaro

Procurador alerta para crime eleitoral e cobra retratação de autoridade

Da Redação

O prefeito de Sorriso (396 km de Cuiabá), Ari Lafin (PSDB), não deverá mais incitar ou promover a realização de transporte irregular de eleitores ou de outros crimes eleitorais do tipo, em qualquer meio de comunicação. Lafin também deverá se retratar, ou no mesmo programa de televisão em que fez as declarações ou por meio de nota enviada para a imprensa de maneira geral, informando que a conduta é ilegal e advertindo a população das penas previstas.

A recomendação foi feita pelo Ministério Público Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral, na terça-feira (11), após o recebimento de diversas denúncias sobre as declarações realizadas pelo prefeito Ari Genezio Lafin no programa de televisão SBT Urgente.

O procurador regional Eleitoral, Erich Raphael Masson, explicou que as declarações feitas pelo prefeito de Sorriso induzem à população à prática irregular de transporte de eleitores em favor do candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro.

Masson ressalta que as práticas incentivadas por Lafin são consideradas crimes eleitorais previstos no artigo 302 do Código Eleitoral e artigo 11 da Lei nº 6.091/74, e que podem interferir na lisura e legitimidade do processo eleitoral.

“Nenhum veículo ou embarcação pode fazer o transporte de eleitores desde o dia anterior até o posterior à eleição. A exceção são os que estão a serviço da Justiça Eleitoral, como no caso do transporte de indígenas ou populações isoladas, dos coletivos de linhas regulares e não fretados, os de uso individual do proprietário e de sua família, e os veículos alugados e congêneres, conforme consta no artigo 5º da Lei 6.091/74)”, completou.

Com base no artigo 8º da Lei n 6.091/74, somente a Justiça Eleitoral pode, quando imprescindível, e devido a absoluta carência de recursos de eleitores da zona rural, fornecer tanto transporte quanto refeições, com despesas pagas pelo Fundo Partidário. Assim, é proibido aos candidatos, órgãos partidários, ou qualquer pessoal, o fornecimento de transporte ou refeições aos eleitores da zona urbana, conforme o artigo 10º da Lei nº 6.091/74.

“A desinformação eleitoral pode contribuir para a prática de delitos eleitorais por parte da população. Esses crimes, por meio de processo criminal, podem resultar em pena de reclusão de quatro a seis anos, além do pagamento de 200 a 300 dias-multa”, concluiu o procurador Regional Eleitoral, Erich Masson.

O prefeito Ari Lafin tem cinco dias úteis para informar se cumpriu ou não a recomendação, sob pena de ser denunciado à Justiça Eleitoral.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros