Quinta-feira, 23 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Justiça Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 16:13 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 16h:13 - A | A

GESTÃO DE JAYME CAMPOS

Justiça condena Estado a pagar R$ 3,5 milhões à empreiteira por serviços em rodovia de 1994

Construtora afirma que realizou obras na MT-110, mas não recebeu pelos trabalhos

VANESSA ARAUJO
Da Redação

A Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) homologou um acórdão que determina que o governo do Estado pague R$ 3,5 milhões para a construtora C.R. Almeida por serviços realizados em 1994, na MT-110. Os trabalhos foram realizados na gestão do ex-governador Jayme Campos (União), hoje, senador da República. 

Segundo a empreiteira, apesar dos serviços prestados em 1994 na rodovia estadual, os valores pelos trabalhos não foram pagos. 

Os desembargadores seguiram por unanimidade o voto do relator Gilberto Lopes Bussiki. O acórdão foi publicado no final de abril deste ano. 

Nos autos, a C.R. Almeida alegou que os serviços prestados foram de R$ 165.328,85 mil, e não de R$ 726,89, valor fixado pela Justiça em julgamento na primeira instância.

Na Justiça, a empreiteira requereu o pagamento do valor com a correção monetária desde março de 1994. À época, a moeda ainda era o cruzeiro. O real passou a circular a partir de 1º de julho de 1994.

“Ante ao exposto, DOU PARCIAL PROVIMENTO ao recurso de apelação interposto pelo primeiro e segundo apelante, DETERMINANDO que o termo inicial dos juros e correção monetária sejam aplicados desde março de 1994, bem como AFASTAR a fase de liquidação de sentença, e, NEGO PROVIMENTO ao recurso de apelação interposto pelo Estado de Mato Grosso. Ainda, CONDENO o Estado de Mato Grosso ao pagamento de honorários sucumbenciais, esses fixados em 10% sobre o valor do proveito econômico obtido na causa, nos termos do art. 85, §3°, inciso I, do CPC”, diz o voto do desembargador Gilberto Lopes Bussiki. 

O voto do relator foi seguido por unanimidade pelos desembargadores da Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros